Ações do Smiles na bolsa desvalorizam 50% em apenas 2 meses

Pessoal, hoje li uma reportagem interessante – De máxima histórica a “mico” em 2 meses: o que explica a queda de 50% da Smiles? – na InfoMoney, seguem alguns trechos:

“Os acionistas da Smiles (SMLE3) tiveram todos os motivos para sorrir desde o IPO (Oferta Pública Inicial, na sigla em inglês) da administradora de programas de fidelidade em abril de 2013. Da abertura de capital até o dia 15 de julho deste ano, a ação subiu 230%, atingindo sua máxima histórica ao bater R$ 58. No entanto, esses bons tempos parecem ter acabado, uma vez que desde este mesmo dia 15 de julho até hoje, os papéis despencaram 50% e já operam a R$ 30,04.

Se era uma das ações favoritas dos investidores e teve tanto sucesso antes, por que a Smiles tem apanhado tão feio na Bolsa nos últimos tempos? Olhando só para o pregão de hoje, já dá para ter indícios do que ocorre. Caindo 11,47%, a companhia responde pela maior desvalorização dentre todas as ações que fazem parte da carteira teórica do Ibovespa, sendo seguida de perto justamente pela sua controladora Gol (GOLL4), que cai 8,31%.

Um outro motivo para a derrocada é a crise econômica, que bate em todo o mercado hoje. Embora seja boa em um primeiro momento para a Smiles, a crise também impacta ela no longo prazo. As pessoas com menos dinheiro disponível acabam optando por pagar suas viagens mais com milhas do que com dinheiro, é verdade. O único problema, neste caso, é que, no longo prazo, as pessoas vão acumular menos milhas por conta da queda no consumo. E isso, já é algo que não é bom para ninguém nesta história.

“A situação econômica e política afeta vários fatores como confiança do consumidor e emprego, e as pessoas vão voar menos porque terão menos dinheiro no bolso. Além disso, ainda tem o dólar, que sobe porque o Federal Reserve parece que vem com tudo para subir juros e a crise política aqui não acaba, o que torna o câmbio mais pressionado do que deveria”, explica Galdi. Traduzindo tudo isso: espera-se que menos pessoas viajem este ano. (Fonte: InfoMoney)”

Bom, realmente com o dólar nesta altura e a conversão Milhas x Gastos nos cartões cada vez menor, não vejo um futuro muito promissor por enquanto.

E vocês, o que acham?