Alteração no Regulamento da LATAM!

Notícias 43

Por Alexandre Zylberstajn

Boa Tarde Pessoal, tudo bem? É o Ale!

Sábado a LATAM alterou o regulamento do seu programa de fidelidade (confira nossa análise completa aqui) e hoje os participantes receberam o seguinte aviso:

Estou desde sábado escrevendo sobre o assunto. Ele é muito delicado!

Antes de publicar, gostaria de embasá-lo com dados reais que comprovem minha teoria. Já fiz o questionamento e aguardo retorno. Não sei se os programas/cias aéreas vão nos passar, mas não custa tentar!

Segue uma pequena amostra do que vem por ai e jogo uma pergunta: A “RODA” abaixo deve ser quebrada???

 

Vejam a análise completa aqui.

Um abs,

Alê.

Publicidade
Publicidade

43 respostas para “Alteração no Regulamento da LATAM!”

  1. João Paulo disse:

    Multiplus só me deu felicidade primeiro pela possibilidade de resgates oneworld pelo site, e agora com uma ação efetiva ante o inflacionamento das milhas e sinceramente ainda acho 25 passageiros muita coisa deviam colocar até 10 pessoas diferente, isso passou da hora de ser feito, essas empresas de milheiros que estão ajudando a inflacionar o mercado de resgates

    • Roberto disse:

      O respeito a opinião de cada um, mas não podemos levar o ditado popular: “Farinha pouca meu pirão primeiro”!

      Eles permitem comprar até 2 milhões de pontos via km de vantagem por mes, mais uma infinidade de pontos proveniente da livelo que também pode e ainda dão possibilidade de comprar até 500 pontos multiplus muitas vezes com promoção no próprio site.

      Sem falar na transferência de cartões de credito, vendas de pontos pelo sempre presente do Itau e por ai vai.

      Permitem a compra, mas querem limitar numero de emissões?

      Há, então devo capitalizar a empresa e não posso usar meus pontos como quiser?

      Acha realmente certo isso?

      Deveriam então começar limitando as possibilidades e facilidades de acesso aos pontos. impedindo a enxurrada de pontos fáceis de adquirir para o programa não precisariam limitar emissões.

      Mas não, de dinheiro eles gostam!

      Emiti em 1 ano, 3 bilhetes ida e volta europa para mim, esposa e filha, emiti 2 bilhete para meu pai outra para minha mãe. 2 bilhetes irmã e cunhado. 2 bilhetes para minha outra irmã que reside na europa. 3 bilhetes para meu filho, esposa e filha, 2 bilhetes para minha filha e filho. Minha outra filha vai a europa final do ano será mais uma emissão. Minha cunhada, sobrinho, filho e minha sogra viajam em julho, são mais 3 bilhetes. A minha sobrinha que mora em mantova foi no começo do ano com o filho e emiti com minha conta. Já se foram 20 emissões este ano para pessoas distintas. E nao vendi pontos para Maxilhas, nem outras empresas. Tudo uso familiar.

      Há, sem falar que eu mesmo já comprei passagens na maxmilhas em vez de vender.

      Tenho ainda quase 300 mil pontos na Multiplus… Comprados! Não posso usar?

      Pessoal da família não sabe lidar com isso, perdem pontos até nos cartões de crédito deles e nem me falam nada. Só na hora de viajar lembram de mim. Como tem facilidade de acumular pontos não me preocupei em fazer uma conta para cada um ensinar o caminho das pedras… Até porque é chato ficar explicando e monitorando varias contas e pessoas. Se posso juntar tudo numa única conta é mais fácil.

      Está do outro lado oposto o smiles que fez a conta família e diferente da Multiplus não está nem ai pra quantos bilhetes se emite ou quantos pontos se junta na conta. Pena que por lá eles limitaram as emissões inflacionando os resgates.

      Algum tipo de controle é preciso, mas não da forma com estão tentando impor.

      Exemplo: Limitar a quantidade de pontos que nãos sejam provenientes de viagens aereas, limitar quantidade de pontos que cada um poderia comprar por ano cumulativo seja na multiplus ou qualquer outra empresa digamos a 500 mil, 1 milhão, 2 milhões ao… Encontrar um numero satisfatório para eles… Porque não fazem? Haam! Não fazem porque perderiam muito ganho com isso.

      Ou será que pontos provenientes da livelo, km de vantagens e outros parceiros não geram lucros para a empresa aérea?

      Então, amigo, respeito sua opinião, mas não concordo.

      Estão no rumo errado, estão.

      Enquanto estiverem vendendo pontos no próprio programa não há que se falar em bloquear usuários, cancelar cadastros e bloquear pontos na conta. isso seria apropriação indébita, enriquecimento ilícito.

      Posso sim, fazer varias contas, nome de cada um, mas gerir estas contas é que vai ser o caso.

      O que vou fazer é procurar antecipar-me das seguinte forma: Levar este regulamento ao Procon estadual para analise, denunciá-los ao ministério publico e entrar com representação judicial de forma preventiva para adquirir liminar impedindo que na minha conta apliquem este regulamento.

      Vou gastar com isso? Sim, vou, talvez mais barato que fazer isso seria gerir 10 contas familiares, mas dai estaria comungando com a maioria dos brasileiros que aceitam sem espernear tudo que lhes é empurrado goela abaixo sem nada fazer.

      Vou estudar o caso, ainda temos algum prazo para isso, fazer um dossiê, pegar reportagens publicadas onde encontrar. Opiniões, reclamações o tal regulamento com a cláusula que ao menos eu considero abusiva e mandar tudo pra justiça. Todos os órgãos que for possível acionar eu o farei.

      A coletividade merece respeito e o que estão fazendo é o oposto.

      Repetindo, com todo respeito a sua opinião, mas não concordando com ela.

  2. Henry disse:

    Os programas de fidelidade foram criados para as pessoas emitirem passagens, acumulando milhas neles.
    Muito antes das programas de fidelidade começarem a vender milhas diretamente para os associados, essas empresas do tipo Max Milhas, Hot Milhas, já estavam comercializando milhas dos associados, comprando-as com o objetivo de emitir passagens..
    E aí é que a coisa pega…
    Todos nós sabemos que essas empresas são predatórias a nós que usamos os programas para uso pessoal,pois elas têm toda uma logística que descobrem disponibilidade de passagens muito antes de nós… e nós sabemos que, quem acha/emite primeiro fica com a passagem…
    Eles têm programas do tipo “robô” que ficam ligados 24horas/dia…quem de nós fica assim procurando ???
    Então, os programas de fidelidade, por sua vez, já não estão liberando muitos assentos…aí, nós ficamos que nem otários, batendo palmas para essas empresas emitirem antes de nós ???
    Eu vejo que a restrição que a Multiplus está fazendo, de travar a conta de quem emitir para mais de 25 passageiros, como algo muito saudável para nós…putz… 25 passageiros é bastante coisa…
    Ainda que a justiça permitisse o comércio de milhas, ela não pode me obrigar a acumular milhas num programa que não combate esses espertalhões….é muito mole pra eles: eles têm de um lado pessoas querendo comprar passagens mais baratas (e estas pessoas não assumem risco algum de não conseguir emitir, porque só pagam se a passagem for emitida) e do outro lado, eles têm pessoas que estão vendendo suas milhas porque estão em vias de expirar, justamente porque não conseguem emitir porque essas empresas saem na frente, sempre.. ou ainda, o programa não libera assentos em quantidade suficientes…
    Então, se um programa de fidelidade não combate esse comércio, eu não vou enviar pontos pra lá.. não vou comprar milhas com eles, porque vou ficar com um ativo que não vai ter o valor que eu paguei…eu envio pontos/compro milhas para comprar passagens mais baratas para mim e não para permitir que terceiros usufruam disso, porque eles não correm riscos, mas eu corro risco de não achar as passagens..
    Então.. a coisa é simples: vc pode decidir e só enviar pontos para programas que combatam essa prática…
    E, se amanhã houver alguma decisão que impeça os programas de combater, vc envia para algum programa estrangeiro…claro, se o seu cartão permitir…
    Senão, só envie para o programa justamente para enviar/emitir passagem… mas, vc sempre terá a concorrência desonesta dessas empresas…
    Não existe nenhum problema em Smiles, LATAM, TudoAzul, Amigo terem lucro com a atividade…. formalmente elas criaram um programa de fidelidade…com regulamento…
    Elas abusam do direito de lucrar ?? No caso do Smiles e TudoAzul, claramente abusam…e isto nos prejudica, bastante.. tanto que eu há meses fico debatendo isso com os colegas nos sites…
    Agora, é o fim da picada eu já ter problemas com disponibilidade de assentos por causa dos programas de fidelidade e permitir que mais um esperto se insira nessa cadeia e suma de vez com a pouca disponibilidade de assentos..
    Se eu combato as práticas desonestas do Smiles, não tem porque eu aceitar mais uma empresa, interposta, agindo como intermediária, emitindo assentos disponíveis muito antes de que eu consiga fazer…
    Eu só vou enviar pontos para programas de fidelidade que combatam essa prática…
    A Multiplus tem feito um monte de burradas nos últimos dias… mas no caso dessa proibição de não poder emitir para mais de 25 passageiros, não é errada, pelo contrário, acredito que 90% das pessoas, que deve ser o universo de pessoas que usam programa de forma pessoal, concordam com essa medida….
    O Executive Club já faz isso e eles só permitem 6 parentes + 6 amigos…
    A decisão de enviar para o programa que combata a prática é minha… e justiça alguma pode me obrigar a enviar os pontos para programas que sejam cúmplices de uma prática que me é prejudicial…
    É uma decisão que todos que usam programa de forma a emitir passagens baratas tb podem compartilhar…

    • Glauber Freitas disse:

      Mandou bem demais Henry!! Definiu muito bem este movimento.
      Empresas como max milhas devem ser combatidas mesmo.
      25 pessoas é gente demais…. dá de sobra para um cidadão normal e no meu caso específico nao me atinge em nada.
      Temos que aguardar para entender melhor quais outras restrições estão por vir.
      Solta o post completo ai ALÊ!!!! rsrsrrs

    • Henry,
      90? 95% 99% eu quero o dado!
      Quero, quero, quero.
      Pq não divulgar?

      • Henry disse:

        Na verdade eu até fui generoso em citar 90%.. a coisa se situa em 99%…
        É o mesmo percentual de pessoas que plantam jabuticaba ( que vc diz no próximo post que só existe no Brasil)… quantos pessoas vc conhecem que, na profissão de agricultor, plantam jabuticaba ??? Se vc for generoso, fala em 1%….
        Eu conheço umas 400 pessoas que usam milhas… destas, apenas 2, tem uma noção razoável… então, isso dá uns 0,5% (sequer é 1,0%..,menos ainda, 10%)…
        Então, o que essas pessoas querem é USAR suas milhas.. emitir passagens…e não vender milhas…
        Eu mesmo, que sei gerar milhas por um valor razoável, nunca tive intenção de comercializá-la, pois isto vai contra a ideia em si, que é, permitir que as pessoas voem por custo mais em conta e tb permitir que as cias. aéreas escoem assentos vazios…
        Aliás, o PP sempre foi um site que esteve, pelo menos até agora, ao lado desse universo imenso de pessoas, dando dicas de como valorizar suas milhas (valorizar do ponto de vista de uso e não financeiro…)..dicas para achar disponibilidade… mas as dicas são PARA TODOS.. ou seja, nós disputamos de igual para igual, uns com os outros..
        Nunca que eu vou ficar enviando pontos/comprando milhas em um programa que permite que intermediários, tubarões das milhas, cacem os assentos antes de mim porque têm logística imensa, quem sabe até, conivência de funcionários dentro dos programas de fidelidade (isto é “achômetro”, não estão afirmando categoricamente, mas como vc mesmo disse: o Brasil é o único país do mundo que tem jabuticaba)…

        • Henry disse:

          Putz.. desculpe os erros de concordância, mas não temos possibilidade de editar as mensagens enviadas…

        • Roberto disse:

          Henry, discordo da sua opinião pelo fato de próprio programa ser culpado disso. Exemplo é o clube 10 mil dando 30 de bônus. Isso inflaciona o mercado.

          Vendem pontos em promoção. Isso inflaciona o mercado.

          Vendem pontos pela Livelo: Isso inflaciona o mercado

          Vendem pontos pelo Itau sempre presente: Isso inflaciona o mercado.

          A culpa não é de quem vende, comercializa os pontos, nem das empresas que servem de atravessadoras, nem de quem compra passagens nestas empresas é dá má gestão do próprio programa.

          Fácil de resolver! Limitem a quantidade de pontos que pode entrar na conta de cada um via pontos comprados por ano. Não deem bônus para não inflacionar o mercado.

          O que acha, isso iria valorizar os pontos que chegassem a conta de cada um.

          Mas, céus!?

          Porque não fazem isso? Será que é porque perderiam muita receita?

          Eles não querem atravessadores, mas te possibilitam, se tiver disponibilidade, necessidade e vontate de enviar 24.000.000 milhões de pontos por ano só através do KM de vantagens.

          Isso não incomoda?

          Vejo que você sempre entra combatendo praticas espúrias das empresas que prejudicam os consumidores, sendo assim, olhe para os dois lados da moeda e reflita.

    • João Paulo disse:

      Perfeita a analise, no ritmo que esta, no futuro nenhum passageiro vai conseguir emitir, a gente vai acumular milha não vamos achar disponibilidade e vamos ter que vender pra esses programas pra aí sim conseguir comprar deles uma passagem com um desconto do tipo 50 reais do preço da tabela da cia. Espero que smiles, amigo e Tudo Azul sigam o exemplo. Por mais passagens para o consumidor final já.

  3. Paulo Ricardo Andrade Souza disse:

    Estes CHILENOS XXXXXXXX que comandam a LATAMquerem nos fuder.Nunca mais vou voar LATAM.

  4. raimundo disse:

    Segue trecho da decisão do juiz em uma ação pela qual a Multiplus tentava impedir a comercialização de milhas e perdeu:

    – Embora os Regulamentos dos Programas TAM Fidelidade e Multiplus Fidelidade vedem a comercialização das milhas adquiridas pelos consumidores, referida disposição não deve, a priori, prevalecer, vez que, por se tratar, em princípio, de um negócio jurídico oneroso, não é admissível a imposição de cláusula de inalienabilidade. As cláusulas restritivas de direitos (inalienabilidade, impenhorabilidade e incomunicabilidade) somente podem ser instituídas nos negócios jurídicos gratuitos, a exemplo da doação e do testamento.

    e abaixo o link:

    https://tj-mg.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/118539163/agravo-de-instrumento-cv-ai-10024131971434001-mg?ref=juris-tabs

    • Roberto disse:

      Maravilha! Está já baixei!

      Vai para o dossiê que vou enviar aos órgãos reguladores, Procon, ministério publico e para a minha representação pessoal contra a Multiplus caso seja necessário.

      Isso sim que é contribuição.

  5. Michel disse:

    Quem que consegue hoje em dia juntar milhas com cartão de credito para poder fazer uma viagem internacional na( econômica ) com o dólar a quase 4 reais.
    Se não fosse o comercio de milhas ( km de vantagens,Livelo,Multiplus, Smiles, Tudoazul eu não teria conhecido o Brasil e o mundo.
    Vai lá falar pra Smiles pra ela parar de vender milhas ou para Livelo.
    As empresas descobriram essa mina de dinheiro que é o comercio de milhas e não tem volta,vai bloquear
    a conta de alguém porque está vendendo milhas, se é justamente essas pessoas que mais dar lucro as empresas.

  6. Luis Eduardo Hayashi disse:

    O grande problema é q as regras não são claras! Se a companhia proíbe a comercialização de milhas, não estipula e não puni quem a comercializa, acontece oq estamos vendo! Milhas valem bastante dinheiro, são tão valiosas que existem quadrilhas especializadas em róbalas!
    Se a múltiplus realmente quisesse ela resolveria o problema! Hoje com a internet vc consegue saber exatamente qual IP esta conectado o seu servidor para a emissão de bilhetes! Se o mesmo IP se conecta varias vezes emitido bilhetes de contas diferentes para pessoas diferentes, eles já indentificariam as pessoas q estão praticando a venda!
    As companhias tem uma boa parcela de culpa por esse mercado paralelo! Acredito que por muito tempo elas fecharam os olhos para o problema pois esse mercado gera passageiros e mantem os voos cheios! Mais agora a múltiplus resolveu restringir um pouco a bagunça limitando para “apenas 25 pessoas” kkkk impressionante! Pra mim isso é só pra inglês ver!

  7. João Vitor Balduino disse:

    O grande problema – e eu bato nessa tecla faz muito tempo – é que o “mercado das milhas” foi há muito tempo deturpado e, por consequência, nós que utilizamos e seguimos as regras destes programas na risca acabamos tendo de arcar com essas presepadas. O surgimento de supostas “agências de viagens” que emitem bilhetes para qualquer pessoa utilizando milhas de terceiros (sendo que estes terceiros vendem sua milhagem/pontuação e fornecem suas senhas de resgate para estas empresas) foi o principal motor para o cerco começar a se fechar, como vem ocorrendo nos últimos 18 meses. Ao meu ver, a tendência é que os acúmulos e resgates passem a ficar cada vez mais burocráticos daqui em diante, justamente para coibir que a emissão volumosa de bilhetes-prêmio afete de modo direto a rentabilidade dos voos de determinadas empresas.

    • Cristina disse:

      Concordo João e acho assustador como cresceu… Essa é uma das razões que recomendo cartões brasileiros que trabalham com companhias que não sejam nacionais… Acho que em um futuro proximo, Smiles, Multiplus e Azul terão que achar formas de limitar ou subir muito o numero que milhas necessarias para que o mercado continue interessante para eles. Por exemplo, a Quantas é parceira da AA e da Latam. Com 28.000 milhas da Qauntas vocé pode reservar qual quer trecho BR-US na AA que na AA custa 30.000 a mesma passagem na Latam sai pelo menos por 55.000

      • Bruno disse:

        A Cristina está certíssima.. ao se estudar o case de negócio da multiplus.. inclusive nos balanços apresentados (haja vista ser uma SA) você verifica que uma das maiores fontes de renda da empresa são os pontos expirados… com esses mercados paralelos essa margem reduziu absurdamente.. Povo deixou de desperdiçar.. De qualquer forma… não vejo nada de errado em querer vender, emprestar, dar… é um bem de valor comercial…..

      • Marcos disse:

        Não adianta nada migrar para programas não nacionais… Veja quem colocou suas milhas no TAP Victoria ano passado, o tamanho da rasteira que tomou esse ano… As empresas não sabem o conceito de fidelização. Te oferecem mandar seus pontos pra eles, e alteram tabelas a torto e a direito, como bem querem. Ou pior, vem com essa história de tabela dinâmica. As empresas deveriam fazer a lição de casa primeiro antes de querer corrigir o mercado.

    • Gustavo disse:

      Não vejo como essas agências tipo MaxiMilhas diminuem a rentabilidade dos programas de fidelidade. Dá na mesma se usuário gastar suas milhas emitindo programa para seus parentes de graça, não? Único ponto é o surgimento de um mercado paralelo, penso eu.

      • Cristina disse:

        O problema é que esses pontos que a maxmilhas esta comprando normalmente não seriam usados… e as companhias contavam com isso… com o fato que a maioria dos pontos não seriam restituidos…

        • Brasileiro Curioso disse:

          Em outras palavras: as empresas estão esperneando porque estão perdendo parte do que lucravam com o prejuízo dos seus clientes (expiração de milhas). E tem gente que ainda dá razão para as companhias aéreas.

      • Gabriel disse:

        Impacta sim!!! Veja aí quantas disponibilidades você encontra nos voos para utilizar minhas. Cada vez menos, em economia ok (mas sem promoções agressivas) já em business da vontade chorar (qdo encontra só tem uma disponibilidade, viajar em casal nunca mais)…. enfim, qdo encontra disponibilidade o voo já está quase cheio e precisa do triplo de milhas pra emitir.

        Estou certo ou falei bobagem?

      • Gustavo disse:

        Eu acho difícil saber o real motivo. É uma questão a debater. Eu pensei como a Cristina sobre os pontos dos usuários menos atentos (ou menos interessados) que deixam os pontos vencer. Mas, pensando nisso, acho que as empresas de milhagem não teriam interesse em anunciar cada vez mais seus programas, como elas têm efeito.
        A Smiles e Multiplus são empresas cotadas em bolsa e, por este motivo, têm a obrigação de divulgar seus resultados trimestrais. Já vi que a Smiles divulga o balanço de milhas que expiraram. Mas, lá está, as duas empresas permitem a reativação das milhas expiradas. E o presidente já disse em entrevista que a Smiles não tem interesse que seus clientes deixam as milhas expirar (balela?! não sei…) Só consigo imaginar mesmo uma falha sucessiva na precificação. A Multiplus tem tido resultados fracos e já restringiu os bônus vindos do KM. A Smiles é uma das empresas que mais tem gerado retorno para acionistas — e quem sabe utiliza-lo consegue muitas vezes contrabalançar seus “preços” inflacionados. Resta dizer que a Multiplus é uma empresa mal administrada. Só agora criaram vergonha e mudaram o sistema horrível que sempre tiveram. Outro ponto a observar é que a Multiplus sempre exigiu procedimentos de segurança mais avançados do que os outros no sentido de pedir código a cada transação etc. É muito mais fácil dar acesso a conta Smiles a terceiros. Para terminar, eu achei a nova regra bastante razoável e estou muito curioso para saber se a Multiplus continua cobrando taxa de combustível no site, porque finalmente aparecem voos de quase todas as parceiras em quase todas as rotas ao redor do mundo. Só não consigo chegar a fase que mostra todas as taxas.

        • Cristina disse:

          Entendo que tanto o Smiles, Multiplus, Livelo etc… tem interesse em que comercializemos os pontos, acho que são as companhias aereas que talvez precisaram subir o numero de milhas para poderem continuar disponibilizar os assentos. A maioria ja mudou bastante e alterou o numero de milhas necessarias. Pontuar voando tambem esta mais dificil…

          • Gustavo Carvalho disse:

            Sao os programas que definem a quantidade de pontos para emitir. As cias so liberam a quantidade de assentos. Isto é o que sei, mas estou longe de ser um especialista no assunto. Nao fosse este blog nem saberia da possibilidade de comprar pontos via KM para economizar grana. O consumidor médio só pensa nos pontos do cartao e dos voos. Talvez a culpa nao seja da MaxiMilhas e sim do sucesso do PP 😛

  8. Olavo disse:

    Acredito que a Latam esteja no caminho de ser vendida e o Multiplus é a fonte mais rentável da empresa e por isso toda atenção em cima dela.
    Suponho que a AA esteja nessa rota de venda…

  9. N disse:

    Estou tentando trocar uma passagem comprada por pontos desde sábado e não consigo!
    Tinha consultado no site e estava 40 mil. Acabei de consultar novamente, e agora está 75k!!! SOCORRO! rsrs
    Liguei e o sistema continua indiponível para trocas….

  10. Pedro Bass disse:

    Quero ver todas as empresas apresentarem em seus balanços anuais o valor equivalente as milhas que estão no mercado, como passivo ! No primeiro mundo já é assim. A fidelidade já não existe, afinal posso comprar com cartão na empresa X e usar depois na Y… Depois vem “Triple-Mileage” etc. e as cias (PA) quebram, pois tem mais milhas no mercado do que assentos para voar.

  11. Diogo disse:

    A Multiplus deveria ser coerente. Se o cliente não pode vender eles tb não podem. Deviam parar de vender via km de vantagens, Livelo e própria Multiplus. Se querem ser uma empresa de fidelidade que se comporte como tal. Fidelidade não se vende. Agora o absurdo é vender e querer determinar o que o cliente pode fazer ou não com os pontos.

    • Cristina disse:

      Concordo em parte… Acho que a venda de pontos para comercialização deveria ser regulamentada como é nos EUA. Tenho uma amiga que vendeu pontos da AA no Brasil e cancelaram o cartão dela AA Santander. A American Airlines não perdoa…

  12. Cadu disse:

    Eu ainda acho 25 muito, tinha que ser até menos… sou contra a comercialização de milhas pelos clientes. Acho que até prejudica os “fiéis” de verdade.

    • Carlos disse:

      Eu realmente acredito que para aqueles clientes que realmente trabalham os pontos para viajar, o limite deveria ser até menor pois o mercado paralelo de milhas ajuda a inflacionar bastante o preço das passagens.

    • ANDRE disse:

      Concordo. Isso só faz com que as passagens emitidas com pontos custem cada vez mais caro, desprestigiando a fidelidade dos consumidores mais assíduos dos serviços da companhia.

    • Thaís Werneck disse:

      A questão não é ser contra ou a favor. É ser justo ou injusto, o senso de justiça se mede com a régua da lei. Hoje a legislação da forma que é, torna nula essa alteração que a latam esboça fazer. Se há interesse por parte da empresa em proibir o comércio das milhas por ela geradas, se faz necessário a mudança da legislação ampla o que implica em custo e trabalho muito maior do que uma mera alteração de um tópico de um regulamento que para todos os efeitos está sob a sombra de uma lei que também rege interesses muito maiores do que um simples comércio de milhas. Por este motivo não vai funcionar como eles dizem que será. Agora para você veja como mesmo que você pegalmente válida a alteração feita pela latam ela seria injusta, veja a minha situação, tenho uma empresa com pouco mais de 255 colaboradores, atuamos em 16 estados brasileiros e diariamente preciso enviar colaboradores para treinamentos, negociações, eventos e afins para os mais diversos estados brasileiros, atualmente economizo cerca de 40% no custo de transporte aéreo comprando milhas do Km de vantagens e emitindo passagens com milhas para os meus funcionários. De forma que se a alteração se tornasse real eu nao poderia ter essa economia pois só poderia emitir pra 25 funcionários por ano. O que nem de longe me atende. Aí eu lhe pergunto, eu vendi minhas milhas pra alguém? Não, ainda que seja um DIREITO meu eu nãi vendi, pelo contrário eu compro! E a norma me prejudicaria, tornando-a pra mim, injusta.

      • Cristina disse:

        Com certeza você pode ter contas dos seus diretores para emitir passagens para seus funcionarios, a AA airlines tem um programa de milhas para business onde quem pontua é a companhia…

    • Cristina disse:

      Concordo com você, em algum momento isso vai dar problema… o programa não foi feito para isso, e como ja vi mencionado aqui, acaba inflacionando os pontos por trecho para os usuarios frequentes reais.

  13. Daniel Dantas disse:

    Só soube hoje? Já tem uns 4 dias Rubens barrichelo ahahahah

    • Alisson disse:

      “Estou desde sábado escrevendo sobre o assunto.”
      Então ele deve saber há mais tempo, mas só agora postou algo a respeito (:

    • sibelle menim disse:

      Jura que voce entrou num forum serio de discussao de um assunto que interessa a quem se dispoe de estar aqui, para escrever isso… Daniel, vamos tentar melhorar, so isso…

    • A. Mendonca disse:

      Para Daniel Dantas e Alisson, Dá até dó de ler as vossas msg…e pensar o quanto vocês devem ser infelizes! Fechem-se em vossa bolha de maldade gratuita! Respeitem o trabalho das pessoas e se reservem a fazerem comentários que engrandeça. Para o bom entendedor meia palavra basta.

Deixe uma resposta

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Tudo sobre Programas de Fidelidade
As melhores avaliações de cabines de Primeira Classe e Classe Executiva do mundo
Luxuosas suítes de hotéis