Análise da alteração no Programa Amigo

Notícias Programas de fidelidade

Por Alexandre Zylberstajn

Pessoal,

Hoje mais cedo o programa Amigo atualizou os valores nas emissões de parceiros Star Alliance.

Inicialmente pensávamos que a precificação seria unicamente feita com base na distância percorrida, mas ao que tudo indica, outros fatores determinam o valor de cada emissão


O QUE MUDOU?

Fizemos a simulação de diversas rotas para ter um comparativo entre o modelo anterior e atual.

Ordenamos os voos pela distância entre origem e destino. Reparem que os valores de emissão não acompanham o padrão das distâncias.

OBS: Os campos com hífen (-) são emissões que não conseguimos precificar.


VOOS DIRETOS SAINDO DO BRASIL

Executiva:

Econômica:


VOOS COM CONEXÃO SAINDO DO BRASIL

Executiva:

Econômica:


VOOS DIRETOS COM ORIGEM/DESTINO FORA DO BRASIL

Executiva:

Econômica:

Para quem quiser visualizar a tabela antiga, acesse este link.


Inconsistências na precificação por distância 

No post onde explicamos os 3 modelos de precificação utilizados pelos programas de fidelidade, mostramos que aqueles que se baseiam pela distância estabelecem valores fixos dentro de cada faixa de distância entre origem e destino.

Vejam, por exemplo, a tabela do programa Ibéria Plus, onde fica claro o funcionamento do modelo:

Reparem no exemplo acima, que um voo entre São Paulo x Madrid, que têm um distância de 5.192 milhas, entra na faixa 6 do programa, ou seja, o resgate custa 42.500 Avios (pontos da Iberia) em Baixa Temporada.

Da mesma forma, um voo entre Madrid x Johanesburgo, que têm uma distância de 5.019 milhas, também entra na mesma faixa, logo custa exatamente o mesmo valor de emissão. As emissões são previsíveis.

E no programa Amigo?

No entanto, no programa Amigo, como as pesquisas demonstraram, isso não tem acontecido. Vejam o exemplo abaixo:

São Paulo (GRU) x Houston (IAH) – Executiva – 4.902 milhas – 90.000 pontos

São Paulo (GRU) x Washington (IAD) – Executiva – 4.737 milhas – 100.000 pontos

Reparem que estamos percorrendo uma distância MENOR e o programa está cobrando um valor maior.

Continuando no exemplo acima, vejam quando pesquisamos essa outra rota:

Rio de Janeiro (GIG) x Houston (IAH) – Executiva – 4.998 milhas – 130.000 pontos

Os três resgates que mostramos acima possuem uma distância percorrida próxima, sendo que nenhum deles ultrapassa a “faixa” das 5.000 milhas entre origem e destino, e mesmo assim possuem 3 valores diferentes.

Lembrando que esses resgates para a América do Norte na tabela antiga custavam 70.000 pontos.

Outras inconsistências na Precificação por Distância 

São Paulo (GRU) x Beirute (BEY) – conexão em Adis Abeba (ADD) com a Ethiopian em Executiva

Reparem abaixo a distância e a rota:

O programa está cobrando 340.000 pontos pelo trecho!

Agora vamos analisar outra emissão:

São Paulo (GRU) x Pequim (PEK) – conexão em Adis Abeba (ADD) com a Ethiopian em Executiva

Reparem abaixo a distância e a rota:

O programa estava cobrando 210.100 pontos pelo trecho (este print foi tirado de as 13h de hoje):

Agora fim e tarde a mesma emissão mudou de valor para 355.100 pontos:

Beirute é muito mais próximo que Pequim e é mais um exemplo que nos leva a crer que o sistema não se baseia unicamente na distância.


Sistema ainda esta sendo atualizado?

Ao que tudo indica, os valores ainda estão sendo atualizados no sistema. Possivelmente teremos que refazer todas as analises expostas.

 


Nem Tudo Piorou

Em alguns poucos casos houve redução nos valores. Vejam por exemplo um voo intra-europa entre Frankfurt e Amsterdam.

Essa emissão na tabela antiga custava 30.000 pontos em Executiva, e agora custa 20.000 pontos:


Nosso Comentário

Novos Valores:

Praticamente todas as rotas sofreram aumento. Seja em econômica ou em executiva, os valores subiram uma média de 90% com base nos destinos analisados. Muito ruim!

Prazo:

O prazo dado para os clientes usarem os pontos nas condições anteriores não foi razoável, especialmente depois de tantas transferências bonificadas. Um mês de aviso prévio é pouco para uma alteração desta magnitude.

Transparência:

Apesar de terem comunicado de forma amistosa, faltou transparência no processo, visto que em nenhum momento foi informado aos participantes quais seriam os novos valores. Isso gerou insegurança e questionamentos durante as últimas semanas.

Inconsistências:

Como demonstrado, encontramos algumas inconsistências que nos levam a crer que a precificação das emissões não se baseiam unicamente em distância e sim, em fatores que ainda não foram divulgados.  Adicionalmente, claramente o sistema está sendo atualizado e possivelmente faremos uma nova publicação atualizando as quantidades da tabela acima.

E agora?

A mudança foi muito grande e o programa vai sentir a consequências das alterações – 90% de aumento é muito!

A vida dos usuários dos programas de fidelidade brasileiro não está fácil. Este ano foi particularmente difícil, estamos sendo impactados por alterações negativas de todos os lados. Torcemos para que a onda negativa seja estancada.

MUITO IMPORTANTE

Antes de publicar esta análise, enviamos a informação sobre as inconsistências para o Programa Amigo. Deixamos o espaço do nosso site aberto para que eles nos ajudem a esclarecer as questões expostas. Não deixaremos de publicar notícias, promoções e matérias sobre o programa, mas é importante entendermos o funcionamento da precificação. Só assim seremos assertivos na comunicação com vocês, nossos leitores.

É possível encontrar na nossa página dedicada ao Programa Amigo as informações enviadas na época da comunicação da alteração.

Gostaríamos de deixar o espaço aberto para que vocês comentem sobre a alteração e complementem caso julguem necessário. O que acharam?

OBS: A Equipe inteira do PP participou da elaboração deste post!

 

 

 

 

 

Tudo sobre Programas de Fidelidade
As melhores avaliações de cabines de Primeira Classe e Classe Executiva do mundo
Luxuosas suítes de hotéis