Bebê nasce na primeira classe da Air France em pleno voo

Pasmem! Em pleno voo de Paris para Nova York aconteceu o inesperado, nasceu um bebê com 7 meses de gestação em um parto feito por um urologista! Sabe-se que pode acontecer inúmeras situações dentro de um avião, entretanto, um nascimento como este é no mínimo inusitado né non?

Foto: clevelandclinic.org

Tudo começou quando a passageira Toyin Ogundipe, bancária nigeriana de 41 anos começou a sentir fortes dores nas costas. Logo um comissário anunciou se havia algum médico a bordo, eis que o Dr. Hemal que estava vendo um filme e tomando uma taça de champanhe, pronto para descansar, se propõe a ajuda. E milagrosamente, ao seu lado, estava uma pediatra Dr. Susan Shepherd, que logo se prontificou para auxiliar também.

Foto: clevelandclinic.org

Toyin Ogundipe entrou em trabalho de parto  quando a aeronave contornava a costa sul da Groenlândia. E para um pouso de emergência nas Ilhas dos Açores, na base militar dos E.U.A  demoraria 2 horas, entretanto, o Dr. pediu para que continuassem para Aeroporto Internacional JFK, mesmo sendo a 4 horas de distância, estava seguro de si, já que monitorava junto a pediatra a Toyin e suas contrações.

Todos foram transferidos para a primeira classe, já que estava praticamente vazia; e mesmo em trabalho de parto a mãe conseguiu brincar “Meu upgrade para First!” disse rindo. Após 1 hora de trabalho de parto, o bebê nasce com a ajuda do Dr. Hemal que só havia visto 7 partos na época da faculdade. O médico teve que manter a calma “Eu apenas tentei pensar no que pode dar errado e criar uma solução criativa”, explicou.

Foto: clevelandclinic.org

O menino Jake nasceu a 10 mil metros de altitude, num parto improvisado com uma corda para amarrar o cordão umbilical e braçadeira cirúrgica para tirar a placenta. Quando pousaram mãe e filhos, a filha de 4 anos de Toyin também estava na aeronave, foram para o Centro Médico Hospitalar de Jamaica, um bairro de NY.

Felizmente todos passam bem, e a mãe acredita que o parto foi melhor do que se fosse num hospital! Dr. Hemal seguiu sua viagem, ganhou um voucher da Air France e uma garrafa de champanhe, merecido! Como a criança nasceu em espaço aéreo americano, ela é oficialmente um cidadão dos Estados Unidos.

Houve um caso parecido em que a criança ganhou um voucher vitalício de viagens para o resto de sua vida – será que a Air France irá se pronunciar?