Conclusão – Como comprei e emiti minhas passagens

Diversos 20

Por Fábio Vilela

Bom, se vocês me acompanham desde Outubro já devem imaginar como foi que eu emiti esta minha passagem inteira com a LATAM.

Há alguns meses atrás a cia publicou uma tarifa em classe executiva para Bogotá que te permitia ter conexões “ilimitadas” dentro da Am. do Sul, desde que fosse nos hub’s da empresa do grupo. Inclusive eu fiz um post que era uma ótima oportunidade de atingir Black na LATAM. (leiam aqui).

Como o sistema do site da LATAM não estava montando as conexões que eu queria, eu acabei comprando em uma agência de viagens, sendo assim pude montar trecho a trecho.

O custo total da passagem foi de R$2.182,01 e eu creditei todos os vôos no programa Executive Club da BA pois era exatamente a quantidade que faltava para eu atingir o nível GOLD lá, que equivale ao status máximo na oneworld, Emerald.

A nível de qualificação foi um total 400 Tier Points [para atingir o Gold são necessários 1500], o que achei excelente pelo valor da passagem. Bom, para o ano de 2018 estou garantido o Emerald pela BA, e vou testar para saber se o programa vai me atender ou se devo mudar para outro da oneworld em 2019.

E você? Vai concentrar seus pontos da oneworld em qual cia áerea em 2018?

Publicidade
Publicidade

20 respostas para “Conclusão – Como comprei e emiti minhas passagens”

  1. Victor disse:

    Fabio, como vai?
    Gostaria de sugerir um contato com os principais programas para saber como eles estão lidando com a venda de milhas.
    Até o Kayak já está cotando passagens em um site que, depois que prestamos atenção, vemos que é emitido com milhas de terceiros.
    Pergunto porque quando eles resolverem combater isso de alguma forma, certamente quem vai pagar a conta somos nós que usamos os programas seguindo as regras. Seja por restrições nas regras ou por aumento de preço.
    Então seria bom saber o que eles estão fazendo para resolver o problema no começo.

    • Roberto disse:

      Meu amigo; Programas de Fidelidade não estão preocupados em como estão usando as milhas auferidas. Problema é a venda, aquisição facilitada de milhas por conta dos tais clubes (Leia-se clube Smiles, Clube Multiplus, Clube Azul). Dai, quem compra milhas em dinheiro não tem que dar satisfação a eles de que forma pretende usá-la.
      Se tentarem coibir o uso das milhas para emissão de passagem para terceiros ou punir quem usa as milhas para esta finalidade certamente terão um caminhão de ações judiciais.
      Se nem quando a principal fonte para adquirir milhas era em gastos com cartões conseguiram proibir esta pratica, agora vendendo milhas a torto e a direito é que não poderão fazer nada. E repito, nada farão, pois não tem o menor interesse em proibir este tipo de uso.
      O que aconteceu já está claro… Inflacionaram a emissão com milhas e só.

  2. Rodolfo disse:

    Estava pensando durante o próximo ano fazer alguns vôos pela latam em Business pra tentar atingir status elite pelo Aadvantage..a conversão ao voar em Business nos EQD’s fica mais fácil de atingir..acha que seria uma boa ter status elite Platinum no aadvantage?

  3. José Antonio disse:

    Primeiramente parabéns pelo site e valiosas dicas. Minha dúvida é a seguinte: farei com a LATAM 8 trechos entre Brasil e Colômbia em janeiro. Posso creditar meus pontos em outro programa com você fez com a BA? Qualquer companhias da Oneworld? Caso positivo, como fazer o creditamento de pontos? Muito obrigado e um abraço!

  4. Danilo disse:

    Fábio,
    partindo do zero, essa viagem teria me levado a qual categoria do LATAM Fidelidade? Seria o Black? Equivalente ao Emerald? É isso?

  5. Victor disse:

    Tudo bem Fábio,

    Deixe-me entender a lógica. Se o passageiro voa de business ou de primeira, ele consequentemente terá acesso às salas VIPs da empresa contrata ou da parceira. Ter o título de Platinum, Esmeralda ou qq um eh apenas uma consequência de voar. Saber onde juntar as milhas eh essencial, mas não entendo a necessidade dos títulos, haja vista, ser um cliente de primeira e já ter acesso ao conforto oferecido sem a necessidade de ficar em busca desses título.

    Vc entende isso como uma necessidade ou apenas uma vaidade, q caso seja, não entenda isso como crítica. Abraços e obrigado por inúmeras ajudas q nos presta aqui no seu blog.

    • Fábio Vilela disse:

      Victor,
      Você tem que ver um cenário como um todo e não somente um cliente que faz voos internacionais.
      Tendo o status mais alto você tem uma série de benefícios em mercados onde não há primeira/executiva.
      Tome por exemplo o Brasil – a LATAM, GOL, Azul, etc, não possuem cabine superior em vôos domésticos – portanto tendo status você consegue ter embarque prioritário, check-in exclusivo, despacho de mala gratuito,salas vips, entre outros.
      Então não é somente por vaidade e sim uma necessidade para quem está sempre viajando.

  6. eliezer disse:

    Boa tarde Fabio, parabéns costumeiros, estava aguardando esse post para saber se a latam creditaria os 17.358 pontos , mas você creditou na BA(sorte sua rss), lembro que na época que vc divulgou surgiram algumas duvidas se a latan creditaria tais milhas principalmente em relaçao ao trecho de Buenos Aires e realmente, mesmo hoje, ainda estando mais cara a tarifa e msm c as ressalvas do programa ainda acredito ser uma boa opçao p quem deseja atingir status, porem ainda fico na expectativa de alguém ter feito e relatar aqui que conseguiu os creditos de todos os trechos ….

  7. PauloHCM disse:

    Fábio, só uma dúvida. Sendo Diamante no Smiles, não seria possível pedir Status Match e conseguir ser Black na LATAM? Vi alguns sites brasileiros informando isso…

  8. Ge disse:

    Oi fabio,a BA tem algum beneficio lifetime gold?
    Vc sabe como atingi-lo?
    Abs

Deixe uma resposta

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Tudo sobre Programas de Fidelidade
As melhores avaliações de cabines de Primeira Classe e Classe Executiva do mundo
Luxuosas suítes de hotéis