Marriott vai arcar com a emissão de novos passaportes dos hóspedes americanos afetados pelo vazamento de dados

Notícias

Por Equipe | Passageiro de Primeira

Depois do anúncio de um vazamento colossal de dados de mais de 500 milhões de clientes que se hospedaram em hotéis da Marriott International, a empresa concordou em arcar com a taxa de emissão de passaporte americano caso considere que o cliente tenha sido vítima de uma fraude.

O vazamento de dados pessoais de mais de 500 milhões de hóspedes foi anunciado na última sexta-feira (30/nov). Sabe-se que pelo menos 327 milhões de pessoas tiveram nome, endereço, número de telefone, e-mail, data de nascimento, gênero, datas de chegada e partida, data de reserva, preferências de comunicação, informações da conta Starwood Preferred Guest (SPG) e número do passaporte acessados por hackers.

Apesar do Departamento de Estado do governo americano ter anunciado que não é possível criar um passaporte falso apenas com o número de um passaporte original, muitos especialistas e agentes do governo dos EUA se mostraram preocupados com a possibilidade do número do passaporte ser usado junto com os outros dados pessoais vazados para roubo de identidade.

Em um email enviado ao Washington Post, a assessoria do Marriott afirmou que a empresa está disposta a pagar a taxa de U$ 110 para a emissão de um novo passaporte para clientes norte-americanos que a empresa julgue terem sido afetados por fraudes devido ao vazamento.

Na página criada para tratar do incidente, fica claro que os hóspedes dos Estados Unidos que foram afetados poderão receber serviços gratuitos de consulta de fraudes e reembolso.

Nesta segunda-feira (03/Dezembro) o MPDFT (Ministério Público do Distrito Federal e Territórios) instaurou inquérito civil público para investigar o caso.

Tudo sobre Programas de Fidelidade
As melhores avaliações de cabines de Primeira Classe e Classe Executiva do mundo
Luxuosas suítes de hotéis