Natural World Kenya Safaris

Como eu tive só um dia inteiro em Nairobi eu quis aproveitar ao máximo meu tempo para poder conhecer – na medida do possível – os melhores pontos do país.

Foi quando pesquisando na internet me deparei com a empresa Natural World Kenya Safaris e que tinha exatamente um itinerário que iria me atender – em partes. Quando eu sugiro estas empresas de tours não é jabá não, é porque realmente em países mais exóticos acho importante dar minha opinião de serviços que testei e aprovei, assim serve de base para vocês.

Contactei eles por email e o Humphrey foi um querido comigo, desde a primeira mensagem até a última. Como eu decidi a viagem de última hora e eu tive alguns contratempos com meu vôo da Kenya Airways eu precisei mudar o roteiro umas 2x, e ele sempre se prontificou a me ajudar e encaixar tudo que eu queria ver no pouco tempo que tinha. Além do passeio em si, também solicite o transfer in and out do aeroporto para não precisar me preocupar. Eu falei pra ele que iria fazer questão de postar aqui no site sobre o tratamento deles porque fiquei muito satisfeito.

Eles tem diversos tours e alguns incluem até pernoite nos safaris e cada um tem um valor diferente – eu optei pelo tour de um dia todo no Amboseli Park + Visita a Tribo dos Massai – o valor para uma pessoa sozinha é de U$330 – em carro privativo. Caso você esteja com mais pessoas o valor vai abaixando. No site vocês conseguem ver as diversas opções de passeios e o respectivo preço de cada um deles.

Confesso que o tour é bem pesado e cansativo, afinal eu saí do hotel as 05:00 da manhã e retornei por volta das 18hs, então prepare – mas no final a aventura compensa.

O passeio é feito nesta Toyota que tem o teto removível – ele suspende como se fosse uma capota pra quando estiver observando os animais conseguir ter uma visão melhor.

Meu guia/motorista (John) era uma figura – sabe aqueles caras engraçados que tá sempre de bom humor e faz uma piada aqui e outra ali – foi ótimo pra descontrair afinal só estávamos eu e ele na viagem.

O primeiro stop foi na estrada entre Nairobi e Mobasa onde paramos para poder tomar café da manhã neste estabelecimento -incluso no preço do tour.

IMG_2016

A VAN tinha tomada – ponto super positivo afinal queremos registrar tudo e não ficar sem bateria.

IMG_2017  IMG_2012

O lugar é um pequeno comércio com algumas mesas e diversos artesanatos pra vender.

IMG_1997

Quando cheguei o café já estava pronto – iogurte, chá, leite, café e limões.

IMG_1998

E a parte quente tinha torradas, omelete e manteiga – tudo simples mas muito bem preparado e limpo.

IMG_2014

As esculturas e peças disponíveis para venda são lindas – pena que eu nunca tenho espaço suficiente para trazer.

IMG_2003 IMG_2004 IMG_2010

Depois de quase 4 horas de viagem finalmente chegamos no Amboseli Park – que é o parque nacional. Há uma entrada oficial onde os veículos precisam se identificar e fazer um cadastro. Lá fica cheio de “nativos” batendo no carro querendo que você desça para comprar e tirar fotos com eles – não o faça pois eles vão te explorar pois a entrada é o lugar mais turístico que tem. Meu guia falou para eu ficar quieto sentado e que lá dentro eu teria outras oportunidades.

Depois de todos os trâmites legais realizados finalmente podemos entrar no parque. Confesso que fiquei assustado com a facilidade que encontramos todos os animais. Acredito que o que eu levei 3 dias pra ver na África do Sul no Quênia eu vi em 30 minutos.

IMG_2956

A quantidade dos animais aqui é bem maior e você os vêem soltos em cada canto que olha pela imensidão da savana.

IMG_3181

O zoom da minha máquina não era potente o suficiente mas se vocês forçarem a visão vão ver uma enorme colônia de flamingos no lago – esta mancha rosa são os pássaros – maravilhoso!

IMG_2979

IMG_3032 IMG_3144 IMG_2999 IMG_3020

Conforme falei, você encontra alguns nativos cuidando dos animais que eles usam para própria subsistência como ovelhas e vacas.

IMG_2971 IMG_2972 IMG_3024

Depois de fazer um mini-safari finalmente fui conhecer a tribo dos Massai – não sei porque eu tinha este desejo comigo e sempre tive curiosidade de ir lá pra visitá-los. Eles vivem praticamente isolados do mundo, sem energia, sem água encanada, sem saneamento básico e tudo o que cultivam é para consumo próprio.

IMG_2040

Para entrar é preciso pagar U$30 extra que eles usam para manter a vila e se sustentarem. Meu guia me deixou então com algum dos líderes que falava muito pouco inglês e ele foi me apresentar a comunidade. As casas são feitas de barro, fezes de animais, folhas e alguns paus.

IMG_2039

Assim que cheguei fomos para um grande campo aberto onde todos vieram me receber e fiz parte de uma cerimônia religiosa onde eles abençoaram a minha visita. Notem as cores das vestimentas – incrível o contraste né?

IMG_2175

As mulheres aproveitam as raras visitas de turistas para poder vender os artesanatos que produzem.

IMG_2177 IMG_3085 IMG_3041 IMG_2180 IMG_3053 IMG_3093

As ocas em que eles vivem são bem precárias – sem qualquer estrutura.

IMG_2091 IMG_2094 IMG_2096

Há uma mini escola mantida através de doações onde um líder da tribo ensina as crianças.

IMG_2109

IMG_2105

No final das contas o líder que estava me acompanhando pegou meu boné, oculos, máquina e mochila – diz ele que queria ficar parecido comigo, rs.

 

IMG_2130

Depois desta visita fomos para um lodge – estes hotéis onde o pessoal se hospeda para fazer safari – para almoçar. O guia me deu uma hora e combinamos o horário de encontro na recepção.

IMG_2160  IMG_2153

O almoço estava incluso – as bebidas não – a comida era farta e o buffet bem variado – gostei!

IMG_2136 IMG_2131 IMG_2134 IMG_2137 IMG_2139 IMG_2140 IMG_2143

Terminando o almoço, começamos a maratona de volta pra Nairobi – mais 4 horas de carro – mas confesso que valeu a pena – cada minuto desta viagem apesar do cansaço físico e emocional.

Digamos que esta viagem mexeu muito comigo – conforme eu falei lá no Instagram precisamos ser simples, e darmos valor as pequenas coisas, aos menores detalhes da vida [Pode parecer um pouco paradoxal já que só falo de luxo aqui no site].

Mas eu falo deste tipo de riqueza que não se pode comprar, já que os maiores bens da vida são doados e conquistados e estes valores , que eu saiba, não podem ser medidos ou calculados, afinal matemática não se aplica no que não se pode medir.

Essa “riqueza” que eu cito é uma que não se acumula, ela sim se multiplica no dom de doar. Então galera sejamos doadores, multiplicadores na arte de amar, pois no final o mundo muda com suas atitudes e não com sua opinião.

Você tem varias razões para olhar para cima e agradecer a Deus, pense nisso!

E pra quem está pensando em visitar o Quênia não deixe de contactar a Natural Word Kenya Safaris – através do email – tenho certeza que vocês ficarão extremamente satisfeitos pelo serviço.