Nova classe executiva da South African no A330-300 – São Paulo p/ Johannesburgo

Cias Aéreas Classe Executiva 17

Por Fábio Vilela

VORTEIII pessoal, pelo menos por enquanto, rs! Vou aproveitar estes próximos dias que estarei no Brasil para subir diversas avaliações que eu estou devendo!

Em Fevereiro deste ano, a LATAM publicou uma tarifa super interessante para viajar de executiva p/ a África do Sul, inclusive na época fizemos um post aqui. Como o sistema da cia permitia você comprar LATAM e voar South African achei a excelente oportunidade que precisava para poder fazer o review do novo A330-300 da South African que estava operando no Brasil, e que coincidentemente seria a última semana dele voando para cá. 

Fiz meu check-in preferencial da classe executiva em Guarulhos e logo fui pra sala da Star Alliance. Aliás tenho que agradecer o pessoal da SAA que desde que me viram no guichê fizeram questão de me dar um atendimento super atencioso, inclusive me convidando para embarcar primeiro na aeronave.

Vôo South African SA223 – 03/03/2018
São Paulo (GRU) ✈ Johannesburgo (JNB)
Assento: 9K – Classe Executiva
Partida: 17:30 / Chegada: 07:20+1 / Duração: 8h25
Aeronave: A330-300

Primeiro vou dar a dica para vocês de onde sentar neste avião caso vocês tenham a oportunidade de voar nele. Esta aeronave tem aquele leve problema de afunilamento dos pés em alguns assentos. Portanto se você quiser ter mais espaço para esticar na hora de dormir, as melhores poltronas são as da fileira 1 e fileira 9. E caso você esteja viajando sozinho a melhor pedida é a 9A e 9K (que foi a que eu sentei), que tem o console pro lado do corredor, te dando mais privacidade ainda.

Aproveitando o gráfico abaixo, vocês podem consultar pela matrícula do avião da SAA se seu vôo é com a nova business, são elas:

ZS-SXI, ZS-SXJ, ZS-SXK, ZS-SXL, ZS-SXM

Como embarquei primeiro pude ter a cabine por alguns minutos só pra mim e consegui registrar ótimas fotos.

O novo layout – que é extremamente superior ao antigo – é 1-2-1 o que permite acesso ao corredor à todos os passageiros. Além disto todas as poltronas são flatbed.

Mesmo sentando nas cadeiras centrais você ainda consegue ter uma certa privacidade em relação ao passageiro ao lado, portanto não terá seu espaço comprometido – seja de apoio de braço ou descanso dos pés.

A disposição das poltronas também não segue uma ordem fixa, notem que elas são “desordenadas”, ou seja, no formato staggered. Tanto as centrais quanto as laterais – dependendo da fileira o console muda de lugar.

Tanto o acabamento, design e identidade visual usada nesta cabine ficaram incríveis – aprovei!

Em relação aos assentos individuais que ficam na lateral do avião, sugiro sempre sentar nas fileiras pares (na primeira seção da executiva) e nas fileiras ímpares (na segunda seção) pois são as cadeiras que possuem o console do lado do corredor, te garantindo mais privacidade na hora de dormir.

Aqui vocês conseguem ver o tanto de espaço extra que as poltronas do bulkhead (parede) oferecem. Esta é a 9A, eu fui na do lado oposto, 9K – e afirmo, é a melhor poltrona do avião.

Já as demais poltronas você tem um espaço limitado, inclusive o footrest que vou mostrar mais pra frente.

Aproveitei para tirar alguns fotos dos detalhes da poltrona. Abaixo o compartimento lateral com tomada universal, USB e o suporte pro fone de ouvido.

Porta revistas, folhetos e cartão de segurança.

Curiosamente o cinto de segurança é do modelo de 3 pontas. Aliás eu queria entender qual é o motivo de algumas cias terem e outras não. Alguém sabe?

Nesta foto vocês conseguem ver um pouco mais dos detalhes do console lateral com a luz de leitura individual e o controle de posição da poltrona.

Além disto, você tinha 3 posições pré-estabelecidas com acesso fácil.

No mesmo console, ao abrir o compartimento para pegar o joystick (controle do IFE), tinha ume espelho – gostei da idéia, afinal se você quiser espremer uma espinha, arrumar a maquiagem ou simplesmente ver quão feio você acordou, não precisa ir no banheiro, rs.

O fone de ouvido apesar de aparentar ser noise-cancelling era de baixa qualidade e o meu estava quebrado na lateral. Pedi para trocarem e logo o fizeram.

O entretenimento de bordo era bem completo, touchscreen e a tela tinha uma boa definição.

O descanso dos pés da minha poltrona não afunilava – conforme falei para vocês – e além disto ele tinha um diferencial único – servia também de compartimento para guardar pertences.

Nesta foto vocês conseguem ver melhor quando eu digo que ele não afunila – apesar da poltrona ser estreita no final, o descanso é enorme – portanto não prejudica sua movimentação.

Portanto pessoal, este é o assento coringa, viu?

Tirei foto de um assento normal, veja a diferença! Não dá nem para comparar né?

O atendimento no voo foi super cordial – comissárias(os) simpáticos(as), prestativos(as) e mega atenciosos (as). Ainda durante o embarque serviram champagne – quente por sinal – mas a taça estava bonita, rs.

O amenity kit é bem simples – e não vem com nada de extraordinário.

O kit é bem básico, meias, tapa ouvidos, alguns cremes, tapa olhos, kit dental e escova pro cabelo.

Bom, vamos começar agora a falar do serviço que para mim teve inúmeras falhas. A primeira delas – não havia menu (cardápio). Todas as opções de comida foram faladas em forma de speech (no alto falante do avião). Tem base? Absurdo! Além do som não ser nada claro, só disseram em inglês, portanto quem não entendia, se lascou.

Além disto, enquanto trouxeram as bebidas no mesmo carrinho quando foram servir os canapés (foto abaixo), e o mesmo aconteceu – sem carta de vinhos. Você precisava levantar ou esperar a boa vontade do comissário de te falar todos os rótulos disponíveis – totalmente errado gente!

Pelo menos os canapés estavam saborosos.

Pedi a sopa e trouxeram o prato já praticamente vazio – não sei se isto era o que tinha sobrado, mas depois de 4 colheres já tinha acabado. Além disto não esquentaram o bastante – ponto fraco! Os pães apesar de aquecidos estavam murchos e o que tinha aveia em cima estava extremamente duro!

Mais uma falha – não repuseram os gelos durante o serviço – não sei se acabou ou simplesmente esqueceram – pedi e disse que não tinham mais. Oi?! Falha atrás de falha!

O prato principal – carne com molho e legumes – estava muito bom – quanto à ele nada a reclamar – apesar do brócolis estar com cara de “amanhecido”.

Na hora de servir a sobremesa você precisa escolher – ou a sobremesa ou o prato de queijos – bom, pelo menos foi isto que a comissária me falou. Como eu queria os dois ela foi verificar se algum passageiro não queria, e pode enfim me oferecer.

A sobremesa era uma panacota com frutas – que eu particularmente não gostei – a seleção de queijos ganhou meu amor só porque veio com goiabada, afinal, prato bem comum aqui em Minas!

E por fim, trouxeram bombons – estes não tem como ter erro né?

Conforme falei para vocês no início do post – a poltrona é total flatbed, vira uma cama e bem confortável para dormir.

Quando eu falo que o console pro lado do corredor te protege é exatamente na hora de dormir pois seu rosto fica protegido.

Ponto mega positivo pro tamanho do travesseiro e qualidade de manta – bem confortáveis.

Consegui dormir por boas horas – mas este voo é “curto” e quase não dá para descansar direito.

Quase chegando em JNB fui despertado com o café da manhã – veio um prato com frios, croissant (murcho), leite e cereais. Detalhe que eles não tem opção quente – mais uma falha!

Bom, tive um mix de opiniões em relação à este voo – cabine muito boa, atendimento cordial mas o serviço de refeição pecou e deixou a desejar em inúmeros aspectos – uma pena! A impressão que eu tive é que a cia está “ruim das pernas”, o que é uma pena pois sempre defendi a SAA pelo seu ótimo serviço e atendimento, porém este primeiro agora, já não é motivo de destaque!

Lembrando que este avião não voa para mais o Brasil e agora a rota de/para São Paulo é operada por 2 equipamentos – variando entre eles.

A330-200 (confira meu review aqui)

A340 (confira meu review aqui)

Uma pena que o novo equipamento não voa para cá, afinal é um produto infinitamente superior né?

Minha volta da África do Sul foi com a LATAM em um B767 – como já tenho inúmeros reviews aqui não irei fazer outro.


Como emiti minha passagem?

Como falei para vocês aproveitei a incrível promoção de R$2.900,00 que a LATAM fez em Fevereiro e comprei direto pelo site. Como eu poderia voar somente em uma data em que o valor promocional não estava disponível, minha passagem ficou um pouco mais cara e acabei pagando R$3.500,00, mas mesmo assim valeu a pena!


Onde creditei?

O voo da SAA creditei na TAP (pois precisava inteirar um saldo lá para um resgate) o que me rendeu 9.268 milhas status.

Já o voo da LATAM de volta e o trecho UDI-CGH, creditei no Executive Club da British Airways que me rendeu 160 Tier Points e 6.288 Avios.


Bom, acho que consegui cobrir tudo desta viagem em relação à avaliação, emissão e crédito das milhas/pontos. Ficaram com alguma dúvida?

Aliás, quero saber sobre a SAA, alguém voou recentemente com a cia – será que o serviço melhorou? Conta pra gente nos comentários!

Avaliação

Média
8.1

Tudo sobre Programas de Fidelidade
As melhores avaliações de cabines de Primeira Classe e Classe Executiva do mundo
Luxuosas suítes de hotéis