Status em programas de fidelidade – É realmente importante tê-lo?

Status – palavrinha mágica que soa como uma música para quem é viciado em programas de fidelidade não é mesmo? Mas hoje quero ir um pouco além e analisar a real vantagem de tê-lo ou não.

screen-shot-2016-10-31-at-07-56-25

Bom, antes que comecem os “mimimi” quero deixar claro que o post não é para ostentar, comparar situação financeira ou classe social de ninguém.

Em rede de hotéis

Em hotéis eu julgo ter status fundamental pois os benefícios vem sempre acompanhados de vantagens “financeiras” para o hóspede – Como upgrade de quarto, café da manhã gratuito, acesso ao lounge, internet cortesia, early check-in, late check-out, etc.

Lembrando que geralmente mesmo ficando nos quartos mais caros de um hotel – como as suites – nem sempre você tem todas as vantagens que mencionei aí em cima – portanto o cenário é completamente diferente se comparado aos das cias aéreas onde a classe/categoria superior já vem com vantagens inclusas.

Em cias aéreas

No aeroporto

Eu acredito que assim como eu, tem muito leitor daqui do site que não viaja de econômica e sim só de primeira classe e executiva – independente se é pagante ou com milhas. Neste caso é realmente importante ter status?

A minha resposta é: Não! E vou responder o porquê. Teoricamente os benefícios que já vem implícitos na classe de serviço (business ou first) são muito parecidos (para não dizer iguais) aos que um cartão de fidelidade de nível superior irá te garantir. Vantagens como check-in preferencial, excesso de bagagem, prioridade na entrega da mala, fila exclusiva para embarque, acesso à salas vips, etc, já estão inclusas por você estar viajando em uma cabine superior.

Neste caso um status top tier te daria alguns perks extras como por exemplo – se você é oneworld Emerald pode fazer check-in e acessar às salas vips da Primeira Classe mesmo voando de executiva ou caso você seja Star Alliance Gold poderá sempre levar um acompanhante pro lounge desde que esteja no mesmo voo que você – independente da classe.

Resgate de passagens com pontos e milhas e acúmulo.

No quesito resgate de passagens e reservas utilizando pontos e milhas geralmente as cias beneficiam mais quem já atingiu o nível máximo com diversas vantagens como resgates preferenciais, maior disponibilidade de assentos e até mesmo em alguns casos isentando taxas de remarcação, cancelamento ou reembolso dos pontos. Neste caso o status vale muito a pena!

Outro ponto que vale salientar é que os clientes com níveis mais altos geralmente acumulam mais milhas de acordo com sua categoria – neste caso também é uma vantagem a se considerar.

Upgrades

Da mesma forma funciona os upgrades – as empresas tendem a beneficiar clientes com status máximo com upgrades – seja de forma ilimitada – conforme a LATAM tem para os clientes Black e Black Signature – ou em forma de voucher/coupons que é o sistema que a American, United, etc – possuem, onde o passageiro recebe “X” número de upgrades que podem ser usar durante o ano.

Bom, no meu caso eu JAMAIS embarcaria em um vôo internacional com a dúvida de saber se realmente iria na executiva ou não até no portão de embarque (que é o caso da LATAM onde o upgrade pode ser confirmado de 72hrs ou até minutos antes de fechar o voo) – portanto isto é um benefício que apesar de ser muito tentador tem o lado positivo e negativo – então pra mim eu não arriscaria pois prefiro ter a certeza que vou ter meu lugar com conforto no voo.

Mudanças involuntárias

No caso de mudanças involuntárias como cancelamento de voos, overbooking, etc – clientes com status tem prioridade em reacomodação, lista de espera e até mesmo atendimento nos aeroportos – o que pode te salvar de uma grande dor de cabeça.


Claro que status nunca é demais e eu sempre falo isto aqui no site mas em contrapartida como vocês podem ver e analisar nem sempre tê-lo é importante – é preciso levar em conta seu perfil de viagem.

Para quem viaja bastante de econômica – status é fundamental – quanto à isto não tem nem questionamento – agora caso você viaje sempre em cabine superior – o status nem sempre é necessário. Concordam?