Uma retrospectiva de como os programas de fidelidade já foram excelentes

Este ano vou completar 7 anos de Passageiro de Primeira e quando eu comecei o site os programas de fidelidade eram MUITO, mas MUITO vantajosos – fiz algumas viagens surreais (em termos de rotas/aeronaves/cabines) usando míseras quantidades de pontos.

Então aproveitando a oportunidade, vou mostrar para vocês alguns resgates fenomenais que fiz ao longo desta minha jornada.

São Paulo – Frankfurt – Cracóvia – 60.000 pontos Fidelidade – Passagem de Primeira Classe na Lufthansa

Esta foi a primeira vez que viajei na Primeira Classe da Lufthansa, foi em 2013 (leia aqui) – e depois disto foi amor à primeira vista. Na época a cia ainda usava o B747-400 onde a First era no upper deck e cada passageiro além da poltrona tinha uma cama ao lado – o que era uma baita inovação naquele tempo. Hoje esta cabine não existe mais – infelizmente.

Primeira Classe da Lufthansa no B747-400

Ótima época quando a LATAM ainda era parte da Star Alliance e emitia cabines mistas sem cobrar trecho a trecho. O valor da tabela em baixa temporada era um sonho e consegui ótimas emissões nestas épocas, vejam abaixo:

Cairo – Doha – Bangkok – Tudo de Primeira Classe da Qatar Airways – 32.500 milhas Smiles – era o preço de tabela.

Aliás eu não sei se vocês sabem, mas antes de Doha ter o novo aeroporto a Qatar tinha um terminal exclusivo para os passageiros F/C (leia aqui). Além disto,  os clientes viajando de First eram levados de BMW até a porta da aeronave – era um máximo!

Barcelona p/ São Paulo de Primeira Classe na Singapore Airlines usando o programa deles, o Krisflyer – apenas 58.225 milhas – transferidas na proporção 1:1 do Membership Rewards da American Express.

Além de ser um dos melhores produtos do mercado, o valor era imbatível para viajar de Primeira Classe p/ Europa. (leia o relato aqui)

Primeira Classe da Singapore no B77W

Newark para Singapore em classe executiva – até então era o vôo sem paradas mais longo do mundo – operado por um A340-500 da Singapore Airlines com apenas 100 assentos na executiva.

Gastei 26.000 milhas Lifemiles (Avianca Internacional) + U$614.64 – opção Cash + Money – imbatível pela experiência. . (leia o relato aqui).

Classe Executiva da Singapore no A340-500

Miami p/ Fortaleza conectando em São Paulo em classe executiva – 27.000 pontos Multiplus.

150.000 milhas Dividend Miles – antigo programa da US Airways – ida e volta para a Ásia de Primeira Classe.

A grande vantagem do programa da US Airways é que a precificação dos resgates era feita de forma manual e os agentes não tinha muita noção geográfica, então você conseguia colocar até 10 trechos em um único resgate passando por multi-regiões.

Nesta viagem consegui voar em inúmeras cabines que ainda não conhecia, como:

Primeira Classe da Malaysia Airlines (leia aqui)

Primeira Classe da Qantas (leia aqui)

Aliás eu tenho outras emissões épicas com a US Airways, vocês podem ler nos seguintes links:

Singapura – Paris – São Paulo – 75.000 milhas Smiles em classe executiva da Air France.

Consegui os dois trechos no B77W na época (leia o relato aqui). Hoje em dia com estes 75.000 acho que não consigo nem ir de business para os EUA – quem dirá para a Ásia.

Classe Executiva da Air France no B77W

Primeira Classe da Etihad no A380 – First Class Apartment – Dhaka | Abu Dhabi | Londres – 40.000 milhas AAdvantage da American Airlines

Nesta emissão pude voar no B77W da Jet Airways e no First Class Apartment da Etihad. (Leia mais aqui).

Primeira Classe da Jet Airways no B77W

First Class Apartment da Etihad no A380


Bom pessoal como vocês puderam ver, há 7 anos atrás o cenário era outro, o mundo era outro e a economia também. Vivemos hoje em um mercado mais competitivo onde as pessoas tem mais conhecimento e estão cada vez mais espremendo e aproveitando ao máximo o que os programas de fidelidade tem a oferecer.

Em contrapartida os programas de fidelidade se tornaram empresas rentáveis e descobriram neste mundo de milhas e pontos uma verdadeira mina de dinheiro, o que consequentemente causou a inflação dos valores de resgates.

Tentei mostrar as minhas melhores emissões do passado, e acho que consegui aproveitar bem minha vida de avgeek, concordam? Eu era desconhecido (rs!), praticamente um anônimo “aspirante a blogueiro”, e as informações do meu site chegavam para pouquíssimas pessoas na época o que permitiu que muita gente aproveitasse estas barganhas sem causar um BOOM para as empresas. Hoje elas estão super atentas e uma informação quando é postada já apita o alarme do radar por lá, rs – ossos do ofício.

Enfim, é isto, agora eu quero saber – e vocês? Tem algo para compartilhar do passado em relação à ótimas emissões?