fbpx

Como é feita a revista de cadeirantes antes do embarque no aeroporto

Notícias

Por Felipe Alimari

Oi pessoal! Para quem ainda não me conhece, meu nome é Luis Felipe Alimari e faço parte da equipe do PP. Uma das coisas que mais me incomodam nas viagens aéreas no Brasil é a forma precária que é feita a “revista” nos PCD’s antes do embarque no aeroporto, mais especificamente nos cadeirantes, que é o meu caso e vou explicar porque.

revista cadeirantes embarque aeroporto

Crédito: Transportation Security Administration (TSA)


Revista no Brasil

Como a cadeira de rodas não pode passar pelo raio-x, um funcionário da Infraero é o responsável por levar o cadeirante até uma salinha para uma revista. Acontece que esse procedimento não é padrão e muitas vezes o responsável pela revista fica “constrangido” e mal encosta no cadeirante.

No meu caso que tenho AME (Atrofia Muscular Espinhal) e praticamente não consigo me movimentar, assim que o funcionário percebe a minha condição, tenho percebido que ele imagine que não ofereço risco.

Na maioria das vezes é assim:

  • Ele pergunta: “Você consegue levantar os braços?”
  • Eu respondo: “Não”

Então ele mesmo os levanta, depois me inclina levemente pra frente e dá uma olhada nas costas e por último “apalpa” as pernas. Sendo que, algumas vezes, não passo por essa salinha e apenas passam um detector de metal portátil nas minhas pernas, costas e estou liberado.


Revista nos EUA e Europa

Já nos Estados Unidos e Europa a revista é do jeito que deve ser. Os americanos não dão chance para o azar e seguem o protocolo à risca.

Lá funciona da seguinte maneira:

O agente da TSA (Transportation Security Administration) também leva o cadeirante para um espaço reservado (centro de controle). Lá eles revistam “de verdade” e ainda coletam material da cadeira e do cadeirante e colocam em um equipamento de testagem de vestígios de explosivos. Se ainda acharem necessário, tem a revista adicional com detector de metal.

Os Estados Unidos ainda disponibilizam os serviços chamados PreCheck e Global Entry, que agilizam e facilitam o embarque, mas isto vai ser tema de um outro post que vou escrever em breve.

Na Europa também são rigorosos e o que diferencia para os Estados Unidos é que, dependendo do país, como por exemplo na Espanha, algumas vezes o cadeirante tem que sair da cadeira de rodas para que ela passe em um equipamento específico, uma espécie de “raio-x especial”.


Comentário

No meu ponto de vista, o processo de revista no Brasil é mal feito e totalmente falho, o que pode colocar os demais passageiros em risco. Esse é o tipo de “privilégio” que tenho e que considero um absurdo!

Já imaginaram o que um PCD mal intencionado é capaz de fazer?

Qual sua opinião sobre o assunto? Já viram a revista de cadeirantes ou outros PCD’s antes do embarque no aeroporto?

Felipe Alimari
Instagram: @rodasvoadoras

Seguro Viagem
Seguro Viagem
Ganhe 10% de desconto na contratação do seu seguro!
Supermercado
Supermercado
Ganhe 25% de desconto na primeira compra e 10% de cashback nas próximas!
Hotéis
Hotéis
5% de desconto + selos no Rewards em estadias até 31 de março de 2023!
Cartão Pão de Açúcar Itaú
Cartão Pão de Açúcar Itaú
Ganhe 1 ponto por R$ 1 gasto!
Gerencie suas Milhas
Gerencie suas Milhas
6 meses grátis do AwardWallet Plus para novos usuários!
Clube 1.000
Clube 1.000
Receba 1.000 milhas por mês + 7.000 milhas bônus na hora!
Ver todos os cupons

Baixe o app do Passageiro de Primeira

google-play
app-store

O maior portal de programas de fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, voos e salas VIP, hotéis e lazer, cartão de crédito e promoções.