fbpx

A precificação de Bebês na executiva da LATAM

Notícias Programas de fidelidade

Por Alexandre Zylberstajn

Hoje vamos abordar um assunto polêmico: a precificação de bebês na LATAM e na Multiplus.

bebes pagam integral na executiva da latam

Desde o final de 2015, a LATAM passou a cobrar o mesmo valor da tarifa de adulto para bebês [em passagens pagantes] entre zero e dois anos que viajam na classe executiva. Para que fique claro, a cia exige que o pequeno tenha seu próprio assento e o precifica sem diferenças em relação ao adulto.

Além desta restrição, o site da Latam não permite que os passageiros comprem passagens de executiva com bebês de colo de forma online. Ao informar que se está viajando com um “pequenino”, o site automaticamente retira a opção de busca nas classes “Premium Business” ou “Premium Economy“, vejam:

Simulação de compra de passagem para Miami com bebê no site da LATAM

Segundo o site da cia, a compra desse bilhete deverá ser feita na Central de Vendas, Fidelidade e Serviços ou nas lojas LATAM.

Por experiencia própria, sei que agentes de viagens e algumas OTAs também conseguem emitir.


ITA Matrix

Para conseguir simular o valor da compra e comparar com outras cias, usamos o site ITA MATRIX, que mostra no detalhe as tarifas.

Vejam abaixo que, no caso da LATAM, o valor é praticamente o mesmo entre um bebê e um adulto na classe executiva.

LATAM

A diferença de poucos dólares se refere às taxas aeroportuárias brasileiras.


American Airlines

A American Airlines, parceira da LATAM, cobra um valor substancialmente menor para passagens de bebês em executiva na mesma rota:

Na verdade, o valor cobrado é de apenas 10% do valor da tarifa cheia:


Como é a precificação para passagens de bebês em econômica e executiva no mercado?

A cobrança de 10% do valor da tarifa é praxe no mercado, tanto para classe econômica quanto para executiva. Não somente a American Airlines, mas a Delta, United, Azul, Air Canada, Lufthansa, Swiss, Air France, KLM, Air Europa, Tap, Condor, Alitalia, Iberia, British, Emirates, Qatar, Ethiopian, South African, TAAG, AeroMexico, Avianca, Copa, Aerolineas Argentinas e a BoA – Boliviana de Aviacion tarifam da mesma forma.

A LATAM está sozinha em não permitir que um bebê viaje no colo em suas cabines premium e, por isso, cobra pelo assento que o pequeno irá ocupar!


Cobrança de bebês na Primeira Classe

Até mesmo na Primeira Classe, Lufthansa, TAAG, British, Swiss e Emirates cobram apenas 10% da tarifa de adulto:


Multiplus

A Multiplus não foge à regra da LATAM e também cobra a mesma quantidade que um adulto na emissão de bilhetes para bebês por pontos.

Apesar do site não permitir a emissão deste tipo de passagem online, alteramos manualmente a URL e forçamos a precificação de um bebê. Vejam:

Adultos e bebês são precificados da mesma forma.


A Justificativa da Empresa

Diferente das outras cias aéreas que dão a opção de ou o bebê ir no colo, cobrando apenas 10% do valor do assento, ou ter assento próprio, mediante o pagamento da tarifa cheia, na LATAM o bebê sempre terá um assento, conforme informado no próprio site da Latam:

“Para viajar com uma criança menor de 2 anos na cabine Premium Economy ou Premium Business é preciso pagar tarifa de adulto, uma vez que a criança viajará em assento próprio”.

Em um post de 2015 aqui mesmo no PP, a TAM (hoje LATAM) se posicionou com relação à alteração na cobrança:

“A TAM informa que realizou uma alteração no modelo de cobrança seguindo as práticas de liberdade tarifária que regem o setor.”

Ou seja: por estratégia de precificação, a LATAM opta por cobrar tarifa cheia de bebês.


Comentário

Concordo com a cobrança integral, caso o bebe ocupe um assento, mas acho completamente errado a Latam e a Multiplus não darem a opção dos pais decidirem se querem ou não pagar pelo assento do bebê.

Não entendo por que a Latam quer ir na contramão do mercado e se diferenciar das concorrentes neste quesito, que ao meu ver é bastante negativo – especialmente por ser a única a fazer assim.

Será que a estratégia faz sentido? Será que a receita extra gerada pela venda dos assentos aos bebês menores de 2 anos cobre o dano negativo e o desincentivo que as famílias têm em viajar na executiva da LATAM?

Entendo que bebês podem incomodar outros passageiros, especialmente os executivos que querem dormir, mas não vejo a obrigatoriedade de vender um assento a um bebê como a solução. E obrigar que seja feito via telefone?…

Não entendo.

LATAM e Multiplus, que tal repensar a estratégia?

Newsletter

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliações de voos, salas vips, hotéis, cartões de crédito e promoções.