fbpx

British Airways se despede do 747, a Rainha dos Céus

Notícias

Por Dérek Arakaki

Momento histórico para a British Airways. Hoje (17), a companhia está dizendo adeus ao icônico Boeing 747, a ‘Rainha dos Céus’. Confira abaixo o anúncio feito pela British contando um pouco mais sobre a história desse modelo e os motivos que levaram a decisão de sua aposentadoria antecipada.


O adeus à Rainha dos Céus

Hoje (sexta-feira, 17 de julho de 2020), a British Airways anuncia, com grande tristeza, que sua frota de aeronaves Boeing 747, carinhosamente conhecida como ‘A Rainha dos Céus’, provavelmente realizou seu último voo comercial.

Após quase cinco décadas de operações e milhões de quilômetros percorridos em todo o mundo, propõe-se que a frota restante de 31 aeronaves 747-400 da companhia seja aposentada com efeito imediato, como resultado do impacto devastador que a pandemia do Covid-19 teve sobre a British Airways e o setor de aviação, que não devem se recuperar para os níveis de 2019 até 2023/24.

Há apenas um ano, a British Airways trocou a pintura de quatro de seus jumbo com cores tradicionais, em comemoração ao centenário da empresa. O jato da BOAC fez uma aparição com o Red Arrows para os espectadores na Royal International Air Tattoo, e infelizmente a aeronave estará em breve indo para o seu local de descanso final, ao lado de outras 30.

747 com pintura da BOAC e o Red Arrows

A aeronave que consumia muito combustível estava sendo gradualmente eliminada pela British Airways ao chegar ao fim de sua vida útil, a fim de ajudar a cumprir o compromisso de reduzir emissões de carbono a zero até 2050. A companhia aérea investiu em novas e modernas aeronaves de longo curso, incluindo seis A350 e 32 B787, que são cerca de 25% mais econômicos que o 747.

Como parte da injeção de £ 6,5 bilhões da companhia aérea na experiência do cliente nos últimos anos, as aeronaves existentes estão sendo retrofitadas e as recém-chegadas já contam com um luxuoso produto Club Suite na classe executiva.

A BOAC operou seu primeiro serviço com o 747 de Londres para Nova York em 14 de abril de 1971 e, em julho de 1989, o primeiro 747-400, modelo da aeronave que a companhia aérea voava até hoje, subiu ao céu.

Os spotters e admiradores que ficavam nas cercas do perímetro do Aeroporto de Heathrow, observavam o magnífico 747-400 decolar a 180mph e atingir velocidades de cruzeiro de até 565mph.

Durante a década seguinte, a companhia recebeu mais 56 aeronaves, com o último sendo entregue em abril de 1989. Na época, era a maior aeronave comercial do mundo, e permaneceu assim até o Airbus A380 chegar ao céus em 2007. Em certo ponto, a British Airways chegou a operar com 57 aeronaves 747-400.

O modelo original contava com 27 assentos da Primeira Classe e 292 assentos na econômica. Inicialmente, o upper deck, amplamente descrito como ‘a bolha, continha um lounge com cadeiras. Era conhecido como o ‘club in the sky‘. O modelo também recebeu o primeiro assento de cama do mundo, que a British Airways foi pioneira em 1999.

Primeira Classe do 747 da BOAC

Já os modelos atuais podem acomodar até 345 clientes em quatro cabines – Primeira Classe, Club World (Executiva), World Traveler Plus (Premium Economy) e World Traveler (Economy). A British Airways realizou recentemente um retrofit no interior de algumas de suas aeronaves 747, que era esperado que permaneceriam em serviço por vários anos.

Os jumbos da companhia atualmente estão estacionados em vários locais no Reino Unido e agora só devem atingir altitudes de 35.000 pés quando fizerem suas jornadas finais.


Números e curiosidades do 747

  • A Boeing fabrica aeronaves 747 há mais de 50 anos;
  • A BOAC operou seu primeiro voo com o 747 em 14 de abril de 1971;
  • A British Airways recebeu seu primeiro 747-400 em julho de 1989 e o último em abril de 1999;
  • No auge, a companhia aérea possuía uma frota de 57 modelos 747-400;
  • A British Airways é atualmente a maior operadora mundial de aeronaves 747-400;
  • A idade média da frota da British Airways é de 23 anos;
  • O 747-400 possui winglets de 6 pés (quase 2m) de altura nas pontas das asas para melhorar a eficiência;
  • Possui 16 rodas principais e duas rodas de nariz para pouso;
  • As asas de um 747-400 medem 213 pés (quase 65m) e são grandes o suficiente para acomodar 50 carros estacionados;
  • A altura da cauda de 64 pés (quase 20m) é equivalente a um edifício de seis andares;
  • O 747-400 tem 231 pés (cerca de 70m) de comprimento.

O que diz a British Airways

Confira abaixo o que disse Alex Cruz, presidente e CEO da British Airways.

“Não é assim que queríamos ou esperávamos que nos despedíssemos de nossa incrível frota de aeronaves 747. É uma decisão de partir o coração. Tantas pessoas, incluindo milhares de nossos colegas do passado e do presente, passaram inúmeras horas dentro e com esses maravilhosos aviões – elas estiveram no centro de tantas lembranças, incluindo o meu primeiro voo de longo curso. Elas sempre terão um lugar especial em nossos corações na British Airways.”

“Temos o compromisso de tornar nossa frota mais ecológica, à medida que procuramos reduzir o tamanho de nossos negócios para refletir o impacto da pandemia de Covid-19 na aviação. Por mais doloroso que seja, é a coisa mais lógica a ser proposta. A aposentadoria do jumbo será sentida por muitas pessoas na Grã-Bretanha, bem como por todos nós na British Airways. Infelizmente, é outro passo difícil, mas necessário, enquanto nos preparamos para um futuro muito diferente.”


Comentário

Triste ver a British Airways se despedindo da Rainha dos Céus, modelo que esteve presente em sua frota por quase 50 anos! A crise atual realmente é algo sem precedentes para a aviação mundial, obrigando as companhias a repensarem suas operações e planos para o futuro.

Uma pena ver a companhia aposentando a ‘Rainha dos Céus’ antecipadamente, sorte de quem teve a oportunidade de voar nela. Você já esteve a bordo do 747 da British Airways?

Newsletter

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliação de voos, salas vip, hotéis, cartão de crédito e promoções.