fbpx

Comissários de bordo contam como é trabalhar durante a pandemia de coronavírus

Notícias

Por Equipe | Passageiro de Primeira

Mesmo com muitas rotas canceladas, companhias aéreas ainda estão realizando certos voos e alguns comissários de bordo estão trabalhando. O Business Insider conversou com alguns desses funcionários para saber como está sendo para eles trabalhar nesse momento. Vamos compartilhar com vocês alguns desses depoimentos.


Mais isolados do que nunca

Alguns disseram que estão sendo tratados como ‘fontes de doença’ e que estão se sentindo mais isolados do que nunca.

O trabalho de comissário já é um tanto quanto solitário, por si só. Estar longe de casa e dormir em camas de hotel diferentes todas as noites já não é tão fácil. Agora, com a pandemia, está mais difícil ainda. Muitos não querem se aproximar, principalmente se estão de uniforme.

“Acho que o fator psicológico é difícil“, disse uma das comissárias. “Muitos de nossos amigos e familiares estão nos tratando de maneira diferente por causa de nossos empregos e eles não entendem por que continuamos indo trabalhar”.

Ela acrescenta que há um “sentimento geral de desconforto e tensão por parte dos passageiros e da tripulação” que ela não observou nem um mês atrás. “Agora é muito mais sombrio, é uma atmosfera geral diferente“.


Medo de ficar presos longe de casa

Com os voos sendo cancelados a todo momento, cidades aplicando bloqueios e até mesmo torres de controle de tráfego aéreo sendo fechadas, os comissários de bordo estão preocupados em ficar presos. Eles também não sabem se conseguem comida e abrigo em certas cidades, já que restaurantes e hotéis estão fechando ou trabalhando com pessoal mínimo.

“Acabei de passar uma parada em Atlanta e não há nada aberto“, disse a comissária de bordo de Seattle, que passou a fazer as malas mais cheias de comida quando viaja. “Você pode ficar preso em uma cidade por 30 horas e no momento do bloqueio“, lamentou. “É muito interessante como as pessoas subestimam completamente esse trabalho.”

Temos que estar preparados para ficar presos e ter comida suficiente para nos levar por mais alguns dias, porque simplesmente não sabemos o que vai acontecer. É um pouco estressante“, disse a comissária de São Franciso.

As coisas estão mudando a cada hora, e acho que isso desperta grande ansiedade“, disse ela, acrescentando que não sabe se um voo em que está programado será cancelado no último minuto.

É preciso ser flexível e estar preparado para lidar com isso. Acho que são muitas mudanças rápidas e muito desconhecidas. É algo com que estamos acostumados, mas isso é em uma escala maior do que o normal“, disse ela.


Preocupação com seus empregos e futuro

Não há voos suficiente para circular, então já estamos sendo impactados financeiramente“, disse a comissária de Nova York. “Estamos todos preocupados com a segurança do nosso trabalho e receber um salário.”

Todos os comissários de bordo que foram entrevistados ainda estavam trabalhando. Um disse que ela estava “voando o máximo humanamente possível”, e que está tentando economizar o máximo de dinheiro que puder, sem saber o que o próximo salário trará.

Muitos dos comissários de bordo se queixaram de como sua empresa está lidando com a situação atual, pois alegam que estão recebendo apenas uma licença não remunerada de um a três meses. Nenhum dos comissários entrevistados optou por aceitar uma licença não remunerada porque todos disseram que não podiam se sustentar.

Todo dia é uma espécie de sentar e esperar para ver se perdemos o emprego.”, disse a comissária de Seattle.

Uma comissária de bordo de Detroit disse que a situação de licença não remunerada a faz procurar um novo emprego. “Passando por tempos turbulentos e recebendo apenas licença não remunerada, […] não me sinto protegida“, disse ela.

No entanto, uma lei de estímulo governamental de US$ 2 trilhões foi aprovada e foi sancionada recentemente, o que garantirá que os trabalhadores da aviação ainda sejam pagos até setembro, pois fornecerá às companhias aéreas cerca de US$ 60 bilhões em assistência financeira. A Lei de Auxílio, Ajuda e Assistência Econômica a Coronavírus (CARES) proibirá essencialmente as companhias aéreas de demitir ou denunciar funcionários até setembro.

Dito isso, os comissários de bordo podem não receber o pagamento a que estão acostumados, pois podem receber apenas o número mínimo de horas de trabalho contratualmente obrigadas, dependendo da demanda.


Estão preocupados com a própria saúde

Eu realmente não entendo por que ainda estamos transportando passageiros e colocando em risco nossa força de trabalho de comissária de bordo“, disse outra aeromoça de Nova York nos seus 50 anos com 20 anos de experiência profissional. “Eu realmente acredito que as viagens domésticas devem ser encerradas por algumas semanas. Entendo que a carga ainda precisa chegar aonde precisa, assim como o pessoal médico, mas acho que eles poderiam fazê-lo sem o público em geral também.”

Estamos constantemente expostos, mas isentos de todas as diretrizes do CDC, a menos que testemos positivo. Isso não faz absolutamente nenhum sentido“, disse a aeromoça de Detroit.

Enquanto o CDC declara que trabalha para contatar passageiros e tripulantes que foram expostos a um viajante doente, algumas comissárias de bordo com quem conversamos eram céticas, preocupando-se com o fato de a empresa não estar fazendo o suficiente para informar se alguém em seu voo havia sido exposto ou até testado positivo.

Não sei se a empresa está sendo tão diligente em notificar-nos se alguém em nosso voo deu positivo. Sei que eles não nos notificaram de nenhum comissário de bordo que deu positivo, mas eu não consigo acreditar que ninguém deu positivo na empresa. Definitivamente, ouvi rumores, mas a empresa não é muito transparente “, disse a aeromoça de Seattle.

Uma comissária de bordo de Nova York admite que também não foi notificada de nenhum caso: “Não sei qual é a política da empresa. Não faço ideia, se é porque eles estão escondendo isso ou porque não houve nenhum relatório “.

A aeromoça com sede em Seattle diz que, mesmo que ela e outros passageiros tenham sido expostos a passageiros positivos em voos, não há muito que ela possa fazer.

A única diretiva que realmente nos foi dada é tentar isolar essa pessoa da melhor maneira possível, onde ela está muito longe das pessoas“, disse ela, acrescentando que “não é como se nós pudéssemos colocá-las em quarentena no fundo do avião e deixá-los lá sozinhos “.

O USA Today relata que 20 aeroportos nos EUA implementaram verificações de temperatura, mas, segundo a CNN, não há muita evidência de que elas realmente ajudem a impedir a propagação do COVID-19. Deve-se notar também que, de acordo com um relatório do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças, o coronavírus pode ser transmitido sem sintomas aparentes.

Só foram autorizados a usar máscaras recentemente e não estão sendo fornecidas adequadamente

Isso tem sido um problema dentro da comunidade de comissários de bordo. Sentimos que [nossa empresa] tem sido muito reativa ao invés de proativa“, disse um comissário de bordo, citando que eles só podiam usar máscaras e luvas durante a totalidade do voo na semana anterior.

Eles estavam atrasados ​​para o jogo“, disse ela, acrescentando que as máscaras não são fornecidas e as luvas que não são de padrões médicos.

Enquanto ela diz que sua empresa emitiu um memorando prometendo fornecer as luvas de nitrilo, ela diz que elas rapidamente voltaram atrás, citando um problema de oferta e demanda. “Acho que eles meio que pararam essa iniciativa“, disse ela, acrescentando que a maioria das comissárias de bordo que ela conhece agora traz suas próprias luvas e máscaras.

Ainda estamos em trânsito“, disse a aeromoça de São Francisco. “Entramos em contato com milhares de pessoas em um dia. Depende de quantos vôos você trabalha por dia. E transitando por aeroportos e vôos, aviões diferentes, equipes diferentes. E, você sabe, nós temos muito exposição, mas não temos necessariamente as precauções de segurança do tipo de categoria médica“. Ela diz que sua empresa está fazendo o melhor possível para fornecer máscaras e luvas, mas que eles precisam se empenhar, pois os profissionais médicos podem precisar mais delas.

Enquanto alguns dos comissários sentiram que sua empresa – e todos trabalham para a mesma empresa – estava reagindo muito lentamente e priorizando seus negócios sobre a saúde dos funcionários, o consenso geral parecia ser o de que estava fazendo o melhor que podia, dadas as circunstâncias.

A Associação de Comissários de bordo, um dos maiores sindicatos de comissários de bordo que representa aproximadamente 50.000 comissários de bordo em 20 companhias aéreas, espera obter medidas mais consistentes entre as companhias para proteger os comissários e retardar a propagação do coronavírus.

Eles estão pedindo às companhias aéreas que interrompam o serviço de toalhas quentes, introduzam copos descartáveis ​​e forneçam máscaras para passageiros e tripulação.

Embora muitas companhias aéreas tenham acatado algumas dessas recomendações – a American Airlines cortou serviços de alimentos e bebidas para rotas de curta distância, e junto a Delta e Southwest agora permitem que os comissários de bordo usem máscaras – ainda é inconsistente em todos os aspectos e muitos pensam que essas mudanças deveriam ter ocorrido mais cedo.


Sem tempo para fazer quarentena

Segundo o Departamento de Segurança, os funcionários do transporte aéreo são “funcionários essenciais da infraestrutura crítica“. Como tal, eles estão isentos de certos regulamentos, como quarentena.

É o infeliz risco do trabalho que, com tudo isso acontecendo, não possamos nos colocar em quarentena, temos que ir trabalhar. Ainda há pessoas voando e precisamos estar lá para operar esses voos“, a aeromoça de Seattle disse.

Os comissários de bordo disseram que eles devem trabalhar, a menos que possuam um atestado médico que diga que precisam ficar em quarentena e somente com um atestado médico eles serão protegidos financeiramente. A maioria das comissárias de bordo concordou que o processo não era claro: alguns acreditavam que tinham que testar positivo ou mostrar sintomas para obter uma nota médica para ficar em casa sem penalidade. Uma comissária de bordo acrescentou que o teste é coberto pelo seguro de saúde da empresa, mas os únicos comissários de bordo que ela conhece que foram testados são os que apresentam sintomas.

Embora eles possam optar por aceitar uma licença não remunerada de um a três meses, eles não podem simplesmente não ir trabalhar por doença ou optar por não trabalhar por alguns dias sem uma nota médica.

Conheço pessoas que têm cartas (atestados médicos para dizer que foram expostas) e ainda estão voando“, disse a aeromoça de Seattle.


As pessoas ainda estão voando e sem muitos cuidados

À medida que os vôos estão sendo reduzidos – certas rotas de vôos que tinham, digamos, cinco vôos diários agora podem ter apenas um – algumas ainda permanecem bastante cheias. Os comissários de bordo citaram uma mistura de voos muito vazios e muito cheios.

Um comissário de bordo especifica que esses não são viajantes “oportunistas” que fizeram um bom negócio para festejar em Miami, mas pessoas que tiveram mortes na família, militares, médicos que precisam chegar a algum lugar em que são necessárias e viajantes perdidos que voltam para casa.

Acho que é importante saber, porque as pessoas não nos veem como trabalhadores essenciais, mas nós somos”, disse ela. “Estamos fazendo isso porque queremos garantir que as pessoas sejam atendidas”.

No entanto, muitos dos comissários de bordo com quem conversamos disseram estar perplexos com a falta de higiene e bom senso que muitos viajantes ainda exibem, citando passageiros que retiraram suas máscaras para tossir ou usavam máscaras, mas ainda iam aos banheiros descalços ou pais que deixam seus filhos colocarem cintos de segurança na boca ou comer lanches que caíram diretamente nas mesas.


Comparações ao 11 de setembro

A aeromoça de Nova York disse que estava trabalhando após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 e diz que a atmosfera hoje é muito semelhante.

Não há tantos sorrisos, muito mais nervosismo, muito mais tensão. Todo mundo fica desconfiado um do outro, apenas por uma razão diferente agora“, disse ela.

Ela afirma que isso a entristece, porque interagir com as pessoas e ouvir suas histórias era sua parte favorita do trabalho que ela faz há quase 30 anos.

Uma comissária de bordo de Salt Lake City se descreve “como uma ‘sobrevivente’ do 11 de setembro“, e também vê paralelos entre as viagens aéreas naquela época e agora. Ela acrescenta que “somos um como povo e podemos aproveitar esta oportunidade para ajudar um ao outro. Quero levar você em segurança ao seu ente querido ou à sua reunião. E não tenho medo. Estou pronto para servir!”

Os ataques do 11 de setembro impactaram bastante a aviação e trouxeram mudanças que permanecem até hoje. Temos uma matéria aqui no site que compara as transformações que essa data provocou na aviação e as prováveis mudanças que virão a partir da situação pela qual estamos passando hoje. Clique aqui para ler.


Com informações Business Insider.

Newsletter

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliação de voos, salas vip, hotéis, cartão de crédito e promoções.