fbpx

Emirates fecha 2019 com lucro pelo 32º ano consecutivo

Notícias

Por Equipe | Passageiro de Primeira

O Grupo Emirates revelou os resultados do ano passado com uma boa surpresa: mesmo com a limitação de algumas rotas, devido à pandemia, o grupo fechou 2019 com lucro pelo 32º ano consecutivo (o grupo encerrou o ano-calendário no mês de março 2020). Foi registrado um lucro de 456 milhões de dólares, o que significa um aumento em 28% em relação a 2018.

A receita do Grupo atingiu AED 104,0 bilhões (US$28,3 bilhões), uma queda de 5% em relação aos resultados do ano passado. O balanço de caixa do Grupo foi de AED 25,6 bilhões (US$7,0 bilhões), um aumento de 15% em relação ao ano anterior, principalmente devido a um forte desempenho comercial até fevereiro de 2020 e menor custo do combustível em relação ao ano anterior.

“Apesar dos desafios, a Emirates e a dnata apresentaram nosso 32º ano consecutivo de lucro, devido à demanda saudável por nossos produtos e serviços premiados, principalmente no segundo e terceiro trimestres do ano, combinado com preços médios de combustíveis mais baixos no ano”, disse o CEO da empresa Sheikh Ahmed bin Saeed Al Maktoum.

Em 2019, o Grupo investiu coletivamente 11,7 bilhões de AED (US$3,2 bilhões) em novas aeronaves e equipamentos, aquisição de empresas, instalações modernas, tecnologias mais recentes e iniciativas de funcionários, uma redução após o gasto recorde de investimentos em AED 14,6 bilhões (US$3,9 bilhões) durante o ano passado. Também continuou a investir recursos para apoiar comunidades, iniciativas ambientais, bem como programas de incubadoras que cultivam talento e inovação para apoiar o crescimento futuro da indústria.


Desempenho da Emirates

A capacidade total de passageiros e carga da Emirates caiu 8%, para 58,6 bilhões de ATKMs no final de 2019, devido às restrições de capacidade de fechamento da pista do Aeroporto de Dubai (DXB) e ao impacto da COVID-19 com uma suspensão completa dos serviços de passageiros, conforme orientação do governo dos Emirados Árabes Unidos em março de 2020.

Durante o ano, a Emirates lançou três novas rotas de passageiros: Porto (Portugal), Cidade do México (México) e Bangkok-Phnom Penh (Camboja). Também complementou o crescimento orgânico da sua rede com um novo contrato de compartilhamento de código assinado com a SpiceJet que fornecerá aos clientes da Emirates mais opções de conectividade na Índia.

Além disso, a companhia aposentou suas aeronaves antigas ao passo que recebia aviões mais modernos. A companhia retirou gradualmente seis aeronaves mais antigas, compostas por quatro Boeings 777-300ER, seu último 777-300 e um Boeing 777, deixando a sua frota total inalterada em 270 unidades no final de março. A idade média da frota da Emirates permanece em 6,8 anos.

Os custos operacionais totais diminuíram 10% durante, em comparação ao exercício financeiro do ano anterior (2018). O preço médio do combustível de aviação diminuiu 9% após o aumento de 22% do ano passado. Incluindo uma elevação 6% menor em linha com a redução de capacidade, a conta de combustível da companhia aérea declinou substancialmente em 15% em relação ao ano passado, para 26,3 bilhões de AED (US$ 7,2 bilhões) e representou 31% dos custos operacionais, em comparação com 32% em 2018. O combustível continuou sendo o maior componente de custo para a companhia aérea.

Para acessar o documento completo, clique aqui.

Baixe o app Passageiro de Primeira

google-play
app-store

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliação de voos, salas VIP, hotéis, cartão de crédito e promoções.