fbpx

Hertz entra com pedido de recuperação judicial no Canadá e nos EUA

Notícias

Por Equipe | Passageiro de Primeira

A Hertz, empresa americana de aluguel de carros com sede em Estero, Flórida, anunciou que entrou com um pedido de recuperação judicial para as suas subsidiárias nos Estados Unidos e Canadá.

Na última sexta-feira (22) a Hertz Global Holdings, Inc. e algumas de suas subsidiárias no Canadá e EUA, anunciaram que apresentaram petições voluntárias de reorganização sob o Capítulo 11 no Tribunal de Falências dos EUA para o Distrito de Delaware. Isso significa que agora a empresa conta com uma proteção judicial para se reestruturar não sendo pois, falência decretada.

Segundo a empresa, o impacto da COVID-19 na demanda de viagens foi repentino e dramático, causando um declínio abrupto da receita da Companhia e reservas futuras. A Hertz reforçou que tomou ações imediatas para priorizar a saúde e a segurança de funcionários e clientes, eliminar todos os gastos não essenciais e preservar a liquidez. No entanto, a um certo nível de incerteza a respeito de quando a receita retornará e quando o mercado de carros usados ​​será totalmente reaberto para as vendas. Foi esse motivo que levou ao pedido de recuperação judicial.

As principais regiões operacionais internacionais da Hertz, incluindo Europa, Austrália e Nova Zelândia, não estão incluídas nos procedimentos atuais do Capítulo 11 dos EUA. Além disso, os locais franqueados da Hertz, que não são de propriedade da Companhia, também não estão incluídos no processo do Capítulo 11.

Segundo a Reuters, a empresa possui quase US$ 19 bilhões em dívidas e aproximadamente 38.000 funcionários em todo o mundo até o final de 2019. Com isso, a Hertz estaria entre as maiores empresas a serem desfeitas pela pandemia.

A empresa, cujo maior acionista é o investidor bilionário Carl Icahn, com uma participação acionária de quase 39%, sofre com as ordens do governo que restringiram as viagens e a pandemia que exige que os cidadãos permaneçam em casa. Grande parte da receita da Hertz vem do aluguel de carros nos aeroportos, que estão praticamente vazios à medida que os clientes em potencial evitam as viagens de avião.

Até a data do pedido, a companhia possuía mais de US$ 1 bilhão em dinheiro para apoiar suas operações em andamento. Dependendo da duração da crise induzida pela COVID-19 e de seu impacto nas receitas, a companhia pode buscar acesso a caixa adicional, inclusive por meio de novos empréstimos, à medida que a reorganização progride.

Todos os negócios da Hertz em todo o mundo, incluindo suas subsidiárias Hertz, Dollar, Thrifty, Firefly, Hertz Car Sales e Donlen, estão abertos e atendem aos clientes. Todas as reservas, ofertas promocionais, vouchers e programas de fidelidade de clientes, incluindo os pontos desses programas, devem continuar como de costume.

Com informações da Reuters

Newsletter

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliação de voos, salas vip, hotéis, cartão de crédito e promoções.