fbpx

Zombies dos céus e os efeitos dos remédios para dormir

Notícias

Por Alexandre Zylberstajn

Acabo de ler uma matéria da CNN Travel sobre remédios para dormir em aviões! Dei risada das situações relatadas por um dos entrevistados, que após ingerir uma pílula virou um sonâmbulo! Como usuário de remédios indutores ao sono, sei que tudo aquilo descrito é verdade e eu mesmo tenho os meus próprios episódios engraçados!

Eu sou um cara elétrico, ansioso e lá pelos meus 22 anos comecei a sofrer de insônia, inclusive durante os voos e especialmente na classe econômica. Já passei voos inteiros sem piscar os olhos. É terrível, as horas não passam e, para piorar, você chega ao destino cansado e sonolento, o que dificulta curtir o início da viagem. Esse tipo de situação pode ainda aumentar os efeitos do jetlag!

Por essas e outras que, durante uma viagem para Las Vegas, eu aceitei o remédio para dormir que a mãe do meu amigo tinha dado a ele. Foi uma MA-RA-VI-LHA. Eu me lembro bem: estava na econômica da United, terminei o jantar, tomei a pílula e, 30 minutos depois, estava capotado. Dormi 6 horas, o suficiente para chegar descansado em Houston e inteiro para curtir Vegas com meus amigos. Repeti a dose na volta e também dormi bem.

O fato é que, depois daquela viagem, passei a sempre viajar acompanhado de algum remedinho. Primeiro foram os naturais, tipo Melatonina e Pasalix; depois migrei para aqueles que vendem nas farmácias dos EUA ou nas lojinhas do aeroporto, como o Unisom. Finalmente, depois de expor meu caso de insônia a um psiquiatra, passei a tomar Zolpidem.

Esses remédios funcionam, agem rápido e colocam quase todo mundo para dormir! Pessoalmente considero um sono gostoso, sem ressaca no dia seguinte. O problema é que um dos possíveis efeitos colaterais é o sonambulismo, o qual muitas vezes vem acompanhado de amnésia – isso mesmo, amnésia: você simplesmente se esquece do que fez.

Dito isso, é de se imaginar que viajantes que ingerem determinados remédios para dormir apresentem esse tipo de comportamento durante o voo! E, se considerarmos que as chances disso acontecer aumentam com a ingestão concomitante de álcool, tem-se a receita perfeita para os zombies dos céus!


Minha experiência

Certa vez estava voltando de uma viagem de LIM para GRU. Por ser um voo curto, optei por tomar meu remedinho ainda em solo, minutos antes de anunciarem o início do embarque. Isso faria com que eu dormisse mais rápido no voo e chegasse “inteiro” em São Paulo, pronto para trabalhar no dia seguinte.

Infelizmente, nem tudo ocorreu como planejado e, por problemas técnicos, o embarque dos passageiros foi adiado: primeiro por 15 minutos, depois por mais 15, mais 15, mais 15 e, enquanto isso, eu comecei a sentir os efeitos do remédio. A percepção era de que quanto mais eu “lutava” contra o sono, mais forte era o efeito: um sono absurdo. Me lembro que depois de determinado momento eu venci a “luta”, e passei a ter a sensação de estar bêbado! Por sorte minha esposa estava comigo e, segundo ela, foi um dos dias que ela mais riu na vida! Rs… Aparentemente eu falei coisas engraçadinhas!

Em outra oportunidade, já com o aprendizado desse episódio, eu entrei no voo, sentei e tomei o remédio. Dormi antes do avião decolar… SQN. Na verdade ele nunca decolou. Fui acordado pela aeromoça da American me chacoalhando, informando que o avião apresentou problemas e eu deveria desembarcar. Não havia mais ninguém no avião além da tripulação! Eu estava ZURETA! Lembro que demorei para entender e processar a informação de que ainda estava em Guarulhos. Pior foi ter que esperar a mala e pegar um táxi para casa naquela condição! Agora eu dou risada, mas na hora…!

Depois disso passei a tomar remédio apenas com avião no ar!

Como  disse, parte dos remédios pode fazer você se sentir como se estivesse bêbado e , claro, desinibido! Ainda tenho outras histórias pessoais sobre o tema, mas nada como as relatadas na matéria da CNN. Em uma delas, o passageiro fez origami com a criança ao lado e colocou o cobertor como se fosse um turbante na cabeça. Em outra, um passageiro da econômica resolveu correr até a primeira classe PELADO. Mas não é só isso: um passageiro da executiva que misturou álcool com remédio fez xixi no colega ao lado enquanto dormia! Isso mesmo: xixi!

Foto: Matéria da CNN

Histórias engraçadas à parte, os efeitos colaterais podem ser ainda mais sérios e, segundo a matéria, podem causar acidentes ou até a morte! Não é brincadeira!

Com o passar dos anos, tive altos e baixos com remédios para dormir. Eles viciam e não recomendo a ninguém que experimentem, sobretudo sem indicação médica. Me arrependo de ter experimentado aquela primeira vez.

Hoje, depois de muito sofrimento, estou livre da dependência dos remédios e assim pretendo ficar!

Minha dica para dormir durante o voo é assistir um filme, quem sabe até aquele que você já assistiu e que não dê vontade de saber o que vem depois. Leia um bom livro e quem sabe uma taça de vinho (com moderação). Se optar por remédios,NÃO BEBA e faça com acompanhamento médico – jamais tome pela primeira vez nos céus. A reação do seu corpo para o medicamente pode ser inesperada e perigosa!

E vocês: tomam remédio para dormir durante o voo? Se identificam com os relatos? Alguém já teve alguma história engraçada pra compartilhar?

 

 

 

 

Newsletter

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliações de voos, salas vips, hotéis, cartões de crédito e promoções.