fbpx

#TBT – Pluna deixou saudades no Brasil

Notícias

Por Equipe | Passageiro de Primeira

Hoje temos mais uma matéria  #TBT do PASSAGEIRO DE PRIMEIRA (ThrowbackThursday) – A história de hoje é sobre a primeira companhia aérea uruguaia!

Nesta série de relatos, reportagens, e avaliações, vamos trazer  um gostinho nostálgico para o PP! Mostraremos como era experiência de voar em aviões antigos, reportagens, cias aéreas extintas, curiosidades e muito mais.

Mais uma vez, obrigado a Revista FLAP por compartilhar o acervo conosco!


#TBT desta Semana!

As Primeras Líneas Uruguayas de Navegación Aérea são agora parte do passado. Ficam lembradas para sempre, nas páginas da Flap, as décadas de serviços seguros e atenciosos que foram a marca registrada da companhia de bandeira uruguaia.

Esperamos que gostem, confira!


Por: Gianfranco Beting

A PLUNA é fruto dos sonhos de dois irmãos uruguaios, Alberto e Jorge Márquez Vaeza, que em 1934 decidiram criar uma empresa aérea uruguaia. Bem relacionados, os irmãos foram discutir com o embaixador britânico, Sir Eugene Millington-Drake a ideia. Afinal, naquele momento, todos os países vizinhos, sem exceção, já possuíam companhias aéreas de bandeira. Millington-Drake gostou da ideia por dois motivos: enxergou a possibilidade de vender aviões britânicos para equipar a empresa que seria criada; e com isso fortalecia a presença britânica no país, diminuindo a influência germânica. É bom lembrar que estávamos vivendo um momento histórico com a ascensão do nazismo na Europa. Durante o segundo semestre de 1935, os planos ganharam vida. Os irmãos Márquez conseguiram com recursos próprios capital para adquirir, junto à de Havilland, um par de aviões D.H 90 Dragonfly, com capacidade para 2 pilotos e 4 passageiros.

O DC-3 colocou a companhia em um novo patamar tecnológico

Com a compra dos dois Dragonfly, os irmãos Márquez agora sentiam-se aptos a fundar a primeira companhia aérea uruguaia. Faltava, porém, um nome. A primeira ideia foi chamar a companhia de Líneas Aéreas Uruguayas (LAU). Diz a lenda que o nome definitivo teria sido criado pelo barbeiro de Millington-Drake, com quem o embaixador britânico dividia suas divagações: Primeras Líneas Aéreas Uruguayas de Navegación Aérea (PLUNA).

Em 28 de outubro os dois Dragonfly (matriculados CX-AAR e CX-AAS) chegaram, desmontados, a bordo de um cargueiro. Pintados nas cores vermelho escuro e creme, foram batizados de “San Alberto” e “Churrinche”, um pássaro escarlate. Estava tudo pronto para os voos inaugurais. Às 8 horas da manhã de 20 de novembro, o “San Alberto” decolou do aeródromo de Melilla, pilotado por Noack e Nudelman, levando dois passageiros, correio e 500 exemplares dos jornais diários. O destino foi as cidades de Mercedes, Salto e Paysandú. Um mês depois, voos regulares a Rivera, com escalas em Durazno e Tacuarembó foram iniciados. Os voos duravam 4 horas, eram operados três vezes por semana e as passagens custavam 70 pesos por uma viagem de ida e volta. A única competição era o trem, cujo bilhete de ida e volta custava 54 dólares – mas a duração da viagem era de mais de 22 horas. Ainda que convencer as pessoas a viajar por via aérea fosse um trabalho hercúleo, para todos os efeitos, a Pluna era definitivamente uma realidade.

Um De Havilland 86, terceiro avião da frota. Sua cor era predominantemente vermelha

Turbulências

Enquanto a Pluna abria suas asas, outra companhia era formada no país: a Companhia Aeronáutica Uruguaya SA (Causa). Elas não competiam diretamente entre si. A Causa, que fora formada por investidores mais capitalizados, pretendia cobrir rotas internacionais, adquirindo aviões maiores, próprios para estes mercados. Em 12 de março de 1938, serviços internacionais de bandeira foram iniciados entre Montevidéu e Buenos Aires, com a operação de dois Junkers 52. Em pouco mais de um ano, o Uruguai agora contava com duas companhias aéreas.

Em seu primeiro ano, a Pluna transportou 2.600 passageiros em 2.000 horas de voo, levando ainda 1.700 quilos de carga, sobretudo jornais, malas postais e outros artigos para os correios. O governo local decidiu subsidiar parte das operações através de um crédito de 6 mil libras esterlinas, prontamente utilizadas para adquirir novas e maiores aeronaves. Assim, a frota cresceu com a introdução de dois De Havilland 86B (CX-ABG “San Felipe y Santiago”e CX-AAH Santa Rosa de Lima) quadrimotores de 12 assentos. Veio a guerra e a Pluna permaneceu operando serviços domésticos. Em 1942, um tipo francês, o Potez 62, aeronave desenhada para até 16 passageiros, foi introduzido na frota da companhia. E, com ele, a Pluna contratou a primeira comissária de voo trabalhando na América do Sul.

Etiqueta de bagagem dos anos 1950. Tempos de uma aviação mais carismática

Em janeiro de 1943, o governo local instituiu um decreto determinando por razões estratégicas que 49% das ações da companhia deveriam ser controladas pelo Estado. Aquele foi um período agitado na história do país, com a troca de comando: saiu o general Alfredo Baldomir Ferrari, sucedido por Juan José de Amézaga e, como soe acontecer em momentos assim, o novo governo mudou de ideia em relação à aviação e os subsídios foram cortados da noite para o dia. Como desgraça pouca é bobagem, as peças de reposição de aviões de origem europeia tornavam-se impossíveis de conseguir em função da Segunda Grande Guerra. Somadas, estas duas circunstâncias contribuíram para a total paralisação dos voos em 15 de março daquele mesmo ano.

Começar de novo

Quando finalmente a companhia foi autorizada a reiniciar serviços, em 15 de setembro de 1945, foi justamente o governo quem teve que bancar a retomada dos voos. Em consequência disso, os irmãos Márquez perderam o controle da companhia, pois a participação estatal saltou de 49 para 83,3% do capital, avaliado em 1 milhão de pesos. O dinheiro foi empregado para adquirir os primeiros equipamentos de origem norte-americana, um par de Douglas DC-2 e, em fevereiro de 1946, três C-47, excedentes de guerra. Capitalizada, a empresa decidiu investir em sua primeira rota internacional. Voos para Porto Alegre foram inaugurados em 14 de maio de 1948.

Em 12 de novembro de 1951, o governo uruguaio adquiriu 100% das ações. A empresa passou a ser, oficialmente, a linha aérea de bandeira do Estado uruguaio. Uma das primeiras medidas foi ampliar a frota. Foram adquiridos quatro de Havilland D.H. 114 Heron, para 17 passageiros, possibilitando a aposentadoria dos Douglas DC-2. Em 1952, uma linha para Assunção, Paraguai, foi inaugurada com escalas em Salto. Com a entrega de mais um DC-3, serviços para o Brasil foram ampliados, com a introdução de voos para São Paulo em janeiro de 1954. Nessa fase, o número de cidades servidas nas linhas domésticas atingiu o seu máximo: eram nove ao todo, incluindo Montevidéu. Os voos eram assim numerados, sempre partindo da capital com números ímpares e regressando com seus números pares superiores: o PU 1 servia Paysandu, Salto e Artigas; o PU 3 voava para Rivera e Artigas; o PU 7 para Treinta y Três, Melo, Vichadero e Rivera; o PU 9 para Paysandu e Salto; e, finalmente, o PU 25 para Paysandu, Salto e Bella Unión.

A vistosa pintura do primeiro jato da companhia, o Boeing 737-200

Novas rotas internacionais foram inauguradas. A primeira para Santa Cruz de La Sierra, com várias escalas, entre elas Corumbá – segundo destino servido no Brasil. Esta linha teria vida curta, durando pouco mais de um ano. Voos para Buenos Aires, Rosário e Córdoba foram agregados a partir de 1955. Já ia ficando claro que a companhia, para prosperar, deveria crescer para além das fronteiras nacionais. O problema é que, para competir em pé de igualdade com as outras empresas internacionais, os vetustos DC-3 não poderiam ser considerados capazes de servir estas linhas.

Em 24 de novembro de 1955 foram comprados três Vickers Viscount V769D, com capacidade para 48 passageiros, pelo preço de 7 milhões de pesos uruguaios. Matriculados CX-AQN, o primeiro deles, chegou ao Uruguai às 17h22 do dia 24 de junho. Os Viscount foram logo colocados em serviço no “Puente Aéreo” entre o aeroporto de Montevidéu – Carrasco e Buenos Aires/Aeroparque, em quatro rotações diárias. Em 1959, finalmente passaram a servir o Rio de Janeiro, terceira cidade brasileira na malha. O voo PU 501 decolava às segundas, quartas e sextas às 10h00 de Montevidéu, fazia escalas em Porto Alegre entre 11h30 e 13h00, São Paulo Congonhas entre 14h50 e 15h40 e finalmente chegava ao Rio às 16h40. Nos dias seguintes (terças, quintas e sábados), os Viscount partiam como PU 502 do Galeão as 08h00, transitavam por Congonhas entre 09h00 e 09h40, Porto Alegre entre 11h30 e 12h55 até finalmente voltarem a solo uruguaio às 14h25. No limiar de uma nova década, a Pluna parecia bem posicionada para ganhar terreno ante suas competidoras argentinas e brasileiras.

O indisfarçável orgulho por esperar um dos mais modernos aviões do mundo à época o Viscount, visto aqui neste folheto promocional

Mas o destino tinha outro plano de voo traçado para o Uruguai e sua linha aérea. O país, que até então era conhecido como “Suíça da América do Sul” devido à estabilidade política, relativa prosperidade econômica e razoável distribuição de renda, estava entrando em uma era de acentuada decadência econômica. Consequentemente, o mercado para viagens aéreas teria seu desenvolvimento comprometido pelas décadas seguintes. A debacle econômica logo descambou na ruptura da trama político-social. Grupos radicais surgiram e logo iriam se converter em facções armadas, sendo a mais famosa de todas os Tupamaros. Daí para a polarização e suspensão de liberdades políticas foi um passo, com consequências graves para a economia e para o transporte aéreo. Com isso, a frota da companhia pouco cresceu nos anos 1960. Além da trinca original de Viscount, mais dois aviões semelhantes, da série V745D, foram comprados de segunda mão da Capital Airlines nos Estados Unidos. Matriculados CX-BHA e CX-BHB, entraram em serviço ao final de 1967. Estes cinco turboélices britânicos eram complementados por um punhado de Douglas C-47/DC-3 que continuariam voando somente até 1971, quando as últimas rotas domésticas foram suspensas.

De Viscount rumo ao Uruguai, cinco vezes por semana, neste anúncio publicado no Brasil

Novos ares

Para saudar a chegada de uma nova década, os anos 1970, a companhia deu um salto: a incorporação de seu primeiro jato, um Boeing 737-200 com 109 poltronas. A aeronave, matriculada CX-BHM, chegou ao Uruguai em 31/12/1969, ostentando um novo e atraente padrão de identidade visual. O Boeing foi empregado nas linhas para Buenos Aires e na reabertura das linhas para São Paulo e Rio.

De todo modo, a crise social, política e econômica não mostrava sinais de arrefecimento. Pelo contrário. Em 27 de junho de 1973, um golpe de estado dissolveu as Câmara dos Senadores e Representantes, criou um Conselho de Estado com funções legislativas, suspendendo os direitos civis. O Uruguai entrava na fase mais ruim de sua história recente. Para a Pluna, isto significou um notável retrocesso. O poder aquisitivo dos cidadãos comuns despencou. A procura por viagens aéreas só aumentava quando o destino era além mar. Inicialmente centenas, depois milhares de uruguaios, a maioria em sua fase de vida mais economicamente produtiva, desempregados ou subempregados, tomaram o caminho do aeroporto de Carrasco para não mais voltar. Buscaram asilo político ou uma nova vida na Europa, Estados Unidos e até mesmo na Austrália.

O Boeing 737-200 CX-BHM foi devolvido em 1974 e a frota voltou a ficar composta somente pelos Vickers Viscount, com um segunda suspensão das linhas para o Brasil. Em 11 de maio, um deles, o CX-AQO, voando entre Carrasco e Buenos Aires/Aeroparque, saiu da pista após pousar. Nenhum dos 57 ocupantes feriu-se gravemente, mas a aeronave foi considerada irrecuperável. Um dos raríssimos incidentes da companhia, que sempre se orgulhou de não ter sofrido nenhum acidente fatal.

Para repor a aeronave perdida e permitir um modesto crescimento, a companhia decidiu comprar mais alguns quadrimotores britânicos. Três Viscount V827 foram compradas de segunda mão junto à Vasp. Eram eles o CX-BIY (ex PP-SRC); CX-BIZ (ex PP-SRH) e CX-BJA (ex PP-SRF). Configurados com 75 poltronas, foram incorporados à frota no segundo semestre de 1975. Após a entrega dos mesmos, voos para Porto Alegre foram retomados, restabelecendo os serviços para o Brasil.

Flagrante do ex-Vasp PP-SRH, visto aqui em Montevidéu logo após sua incorporação em 1975

Ainda que fossem confiáveis e confortáveis, era simplesmente impossível para a Pluna tentar competir com os Viscount contra os Caravelle e Boeing 727 da Cruzeiro e Varig ou os Boeing 737-200 da Aerolíneas Argentinas. Comprar equipamentos a jato não era algo apenas desejável: era imperioso para a própria sobrevivência da companhia. Em 1978, dois Boeing 727, com capacidade para 114 assentos, foram arrematados de sua proprietária original, a alemã Lufthansa, por sete milhões de dólares. O primeiro deles, o Boeing 727-30 CX-BKA, partiu rumo ao Uruguai no dia 10 de agosto. A segunda aeronave, matriculada CX-BKB, chegou a Montevidéu no dia 15 de novembro de 1978.

Na semana seguinte à chegada do CX-BKA, a Pluna retirou de serviço o Viscount CX-BHA da frota, primeiro do tipo a ser aposentado para dar lugar ao Boeing recém entregue. Os trijatos foram colocados em serviço inicialmente na linha para Buenos Aires e depois para Assunção, Paraguai. Em 1º de dezembro entraram em serviço na rota mais longa da companhia, operando 5 frequências semanais para São Paulo e Rio de Janeiro. Os voos PU 503 partiam da capital Uruguaia às 10h10, faziam escalas em Porto Alegre entre 10h25 e 10h45, em Congonhas entre 12h10 e 12h40 e chegavam ao Galeão às 13h30, às segundas quartas e sextas-feiras. Retornavam como PU 504 pelas mesmas cidades, deixando o Rio às 15h00 e chegando ao Uruguai às 20h35. Às quintas e domingos, os voos operavam como PU 501/502, sem contudo realizarem escalas em Porto Alegre. Uma terceira aeronave Boeing 727, igualmente oriunda da Lufthansa e matriculada CX-BNT, seria arrendada por um curto período entre novembro de 1980 e outubro de 1981.

Enfeitando o Galeão, o CX-BKB foi o segundo 727 da companhia, recebido ainda nas cores básicas da Lufthansa

Naquele mesmo ano, a Pluna tomou uma decisão mais ousada em relação à frota: a aquisição de seu primeiro Boeing 707-320C. Matriculado CX-BNU, a aeronave foi comprada de segunda mão junto à Aerolíneas Argentinas, sendo entregue em 7 de maio de 1981. Com a chegada deste, a companhia realizou um velho sonho, que era servir a Espanha. A partir de 12 de maio, os voos foram operados entre Buenos Aires (Ezeiza), Montevidéu e Madri com escalas nos dois sentidos no aeroporto do Rio de Janeiro – Galeão, todas as terças e sextas no sentido norte (PU 300) com retornos, no sentido sul, às quintas feiras e domingos (PU 301). Por um curto período, ao redor de 1990/1991, uma escala também seria feita em Recife, nos voos PU 301 originados em Madri, tornando-se este o quarto destino brasileiro na malha.

Mas voltemos a 1982. Naquele ano, a companhia deu mais um salto significativo: a incorporação de três jatos 737-200 novinhos em folha, matriculados CX-BON, CX-BOO e CX-BOP, que haviam sido encomendados em novembro de 1980. Com a entrega destes três, entre janeiro e fevereiro daquele ano, os Boeing 727 finalmente foram retirados de operação e vendidos. Mesmo destino tiveram os Viscount remanescentes. A frota agora era composta somente pelo trio de jatos 737-200 novinhos e pelo solitário Boeing 707. Em 1985, um segundo Boeing 707, CX-BOH, foi arrendado por poucos meses. No ano seguinte, 1986, dois voos semanais foram inaugurados com destino a Santiago de Chile, operados pelos Boeing 737.

Nas asas da privatização

Em 1º de março de 1985 o país voltou a ser uma democracia, com a eleição de Julio Maria Sanguinetti, que fez um governo de transição, deixando o período de governo militar para trás. Em 1989, as eleições presidenciais foram vencidas por Luis Alberto Lacalle, que governaria até 1995. Lacalle, além de fazer o Uruguai aderir ao Mercosul em 1991, empreendeu grandes reformas estruturais, privatizando a economia e entre as estatais vendidas estava a Pluna. A empresa vencedora foi o consórcio argentino Tevycom, apoiado por empresários uruguaios. Posteriormente, este consórcio venderia a sua participação à Varig, que comprou 48% das ações, com a obrigação de cuidar do dia a dia da companhia. O restante era dividido entre o Estado uruguaio, que ficou com 49%, empresários locais e funcionários da companhia.

Cartão postal do novo orgulho da frota, o Boeing 737

Com a Varig no comando da companhia, uma das primeiras medidas tomadas foi reequipar a frota. Entre 1º de julho de 1994 e 30/12/1997 a Pluna operou com aquele que viria a ser o maior avião em sua história, o McDonnell Douglas DC-10-30. A aeronave fora arrendada mantendo sua matrícula original, PP-VMW, mas operando na atraente nova identidade visual adotada após a privatização. Os aviões foram configurados para duas classes de serviço, com a adoção da “Blue Class”, a nova classe executiva.

Em maio de 1998, chegou o quarto Boeing 737-200, ex- PP-VPD. Matriculado CX-FAT, ostentava uma chamativa pintura do pintor uruguaio Carlos Paes Villaró, homenageando o sol de seu país. Nos meses seguintes, os Boeing 737-200 PP-VMI e PP-VPE (este depois matriculado CX-VVT) foram arrendados, mantendo as cores básicas da Varig com a adição do novo logotipo da “Pluna Uruguay”. Em maio de 1999, foi a vez do DC-10-30 PP-VMQ substituir o PP-VMW, vendido pela Varig à Northwest.

Era preciso renovar a frota da companhia, afinal, os Boeing 737-200 já completavam 20 anos de serviço ativo. Em janeiro de 2002, chegou o 737-300 CX-PUA e, em 2 de dezembro de 2002, o Boeing 767-300ER matriculado CX-PUB foi arrendado para operar, três vezes por semana, na rota Montevidéu-Rio de Janeiro- Madri. Em dezembro de 2003, chegou o Boeing 757-200 CX-PUD, cujo alcance e capacidade maiores fez com que ele fosse empregado sobretudo em uma nova rota: Montevidéu-Salvador sem escalas. Em março de 2004, a companhia recebeu um único ATR 42-300, CX-PUC, empregado nos voos entre o Uruguai e a capital argentina.

“Decola uma nova Pluna” sob a administração da Varig. Realmente, uma nova fase, ainda que breve, na vida da companhia

Sob nova direção

Quando a Varig entrou em recuperação judicial, em 17 de junho de 2005, ela oficialmente colocou sua participação na Pluna à venda. Um período de dúvidas e incertezas tomou conta da companhia uruguaia, enquanto se buscava compradores para a parte da Varig. Em setembro de 2006 o governo uruguaio nacionalizou mais uma vez a companhia, tornando-se controlador de 100% das ações. Para alívio geral da nação, foi anunciado em 2 de janeiro de 2007 que o consórcio Leadgate iria investir 177 milhões de dólares na empresa e ficaria com 75% dos papéis da companhia. Permanecendo o restante nas mãos do governo uruguaio. A Pluna estava salva. Por enquanto.

Os executivos do Leadgate aportaram inicialmente 15 milhões de dólares e logo trataram de mudar tudo, da frota aos serviços, da estratégia de desenvolvimento de linhas à imagem corporativa. A nova ordem era transformar Montevidéu em um hub regional, conectando os países vizinhos com múltiplas frequências diárias. A frota seria composta somente por um único tipo de avião, simplificando toda a área operacional da empresa. A bordo, as refeições seriam cobradas à parte, somente para aqueles clientes que desejassem.

Em julho de 2007, a compra de sete Bombardier CRJ 900 de 90 lugares por US$ 261 milhões de dólares foi anunciada, bem como a introdução de uma nova e espetacular identidade corporativa, criada pela empresa australiana Cato Partners. O desenho foi inspirado no próprio nome do país, que em sua língua nativa significa “rio dos pássaros coloridos.” Com a entrega dos novos aviões, todos os Boeing e o único ATR seriam aposentados, devolvidos aos arrendadores ou vendidos, o que acabaria de fato acontecendo durante os meses seguintes. Antes disto, porém, ao final de 2007, para atender a alta demanda da temporada de verão, a companhia ainda receberia mais um 737-200 (CX-PUF) e um 767-300ER (CX-PUG) este último empregado no último voo da Pluna para Madrid, em março de 2008.

O primeiro Bombardier CRJ 900, matrícula CX-CRA, foi entregue em 11 de março de 2008. Outros seis foram entregues até o fim daquele ano e matriculados CX-CRB a CX-CRG. Para o novo presidente da Pluna, o empresário argentino Matias Campiani, o futuro da companhia dependia da capacidade da companhia em tornar-se a preferida para viagens entre os países do Mercosul, atraindo passageiros dos países vizinhos.

Em abril de 2010, um grupo de investidores canadenses, a Jazz Air Income Fund, coligada da Air Canadá, aportou 20 milhões de dólares na Pluna, adquirindo 25% das ações da Leadgate. Com o novo sócio a bordo, em setembro e outubro de 2010, três novos CRJ 900 (CX-CRH, CRI, CRK) foram entregues. Em abril de 2011 mais três foram encomendados, sendo recebidos entre setembro e novembro de 2011 (CX-CRL, CRM, CRN). A frota atingiu a cifra de 13 aeronaves, o maior número simultâneo de aviões em operação desde a fundação da companhia. Com estas aeronaves, deu-se uma rápida incorporação de novos destinos ligados sem escalas à Montevidéu: Curitiba (julho de 2008); Florianópolis (janeiro de 2009); Foz do Iguaçu (novembro de 2009); Campinas (dezembro de 2010); Belo Horizonte (fevereiro de 2011); e finalmente, Brasília (novembro de 2011). No início de 2012, o mercado brasileiro era responsável por nada menos que 44% do tráfego total da companhia. O número de voos semanais para o Brasil era também impressionante, nada menos que 198 frequências semanais, assim distribuídas: Guarulhos, 28 voos; Campinas, Curitiba Porto Alegre e Rio, 14 voos; Florianópolis, Belo Horizonte e Brasília, 7 voos; Foz do Iguaçu, 2 voos. Adicionalmente, na alta estação, um voo diário e sem escalas era operado entre Guarulhos e Punta Del Este.

Amargo e súbito fim

A aposta da Pluna em se converter em companhia aérea do Mercosul esbarrava em um ponto principal: a companhia ficava a mercê dos humores de não apenas uma, mas três economias: a doméstica, a argentina e a brasileira. E justamente esta foi a razão para o súbito agravamento das finanças da companhia. Com a severa crise econômica que abateu-se sobre a Argentina, reflexo da recessão nos países desenvolvidos desencadeada em 2008, este mercado cortou drasticamente a demanda por viagens aéreas. Naquele momento, 21% das vendas da Pluna dependiam de tráfego argentino. Com o esfriamento da economia brasileira, mais notadamente a partir de 2011, a situação complicou-se ainda mais.

Em junho de 2012, Matias Campiani, em contraste com sua atitude confiante mostrada até então, sinalizou para a imprensa que a companhia poderia falir, caso não fossem injetados novos recursos com urgência. O CEO da Pluna declarou que os prejuízos sofridos entre junho de 2011 e fevereiro de 2012 já passavam de 18 milhões de dólares. Logo ficou clara a real situação econômica da companhia. Entre a chegada da Leadgate em 2007 e a paralisação dos voos em 2012, os prejuízos operacionais chegaram a 100 milhões de dólares, segundo fontes locais. A notícia deixou o governo e o povo uruguaio perplexos.

Campiani, apenas alguns dias depois, anunciou que a empresa não havia encontrado interessados em resgatá-la e, como o fundo Leadgate havia tomado a decisão de não investir nem mais um centavo na empresa, os proprietários iriam devolver suas ações ao governo uruguaio. A notícia causou enorme constrangimento ao governo, ao povo uruguaio, ao público viajante e a todos aqueles que haviam apostado na escolha da Leadgate como sócia.

Uma greve dos funcionários foi iniciada em 3 de julho, tentando chamar a atenção da sociedade para o risco iminente da falência. Sem disposição política de herdar o abacaxi alado, o fim veio de forma súbita e traumática. Um comunicado lacônico afirmava que, devido a problemas financeiros, a empresa estaria “suspendendo todos os voos por tempo indeterminado” em 5 de julho de 2012.

Dois CR J900 NextGen, tendo ao fundo o novíssimo terminal de Carrasco, ainda em construção

A partir daquele dia, a companhia deixava de vender meio milhão de dólares e de transportar 8.000 passageiros em seus mais de 80 voos diários. Assim, da noite para o dia, 900 funcionários perderam seus empregos, deixando um passivo descoberto de 300 milhões de dólares. A colorida frota de 13 jatos CRJ 900 permaneceu imóvel pelos pátios do aeroporto de Carrasco. A rica história de uma pequena grande empresa chegava ao seu epílogo: o último suspiro das Primeras Líneas Aéreas Uruguayas de Navegación Aérea.

 

 


SOBRE A REVISTA FLAP

Cultivar a memória da aviação também é uma das finalidades do nosso site, e para realizar esse velho sonho nosso, fizemos uma parceria com a Flap Internacional, a maior e mais importante revista de aviação da América Latina, que está completando 56 anos de existência, e que possui um acervo único com mais de um milhão de fotos e documentos, garimpados em feiras especializadas no exterior, permitindo agora, aos leitores do Passageiro de Primeira, se inteirarem da aviação comercial antiga no Brasil e no mundo.

Sigam a Flap no Instagram e confiram o site.


Serie #TBT do Passageiro de Primeira!


CADASTRE-SE NA NEWSLETTER E RECEBA O NOSSO #TBT DIRETAMENTE EM SEU E-MAIL

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliações de voos, salas vips, hotéis, cartões de crédito e promoções.