fbpx

Air New Zealand faz voo de quase 12 horas para lugar nenhum

Notícias

Por Equipe

Pilotos da Air New Zealand tiveram problemas em um voo para Seul e acabaram operando um voo de quase 12 horas para “lugar nenhum”. Na sexta-feira (19), o voo deveria sair de Auckland, na Nova Zelândia, para o Seul, na Coreia do Sul, mas no meio do trajeto os pilotos encontraram um problema no Boeing 787-9 da companhia e retornaram ao aeroporto de origem.

air-new-zealand-787-9

O avião estava no ar por cerca de 5h20min, sobrevoando o Oceano Pacífico perto da Ilha de Manus, Papua Nova Guiné, quando a tripulação tomou a decisão de dar meia-volta. A decisão foi tomada devido falhas em dois computadores que são usados para a navegação dos pilotos. Dois dos três monitores da cabine não estavam funcionando direito, então eles resolveram não arriscar seguir destino com apenas um funcionando e optaram por voltar à Nova Zelândia.

O “voo de volta” levou 5h45min, então, ao todo, o avião passou cerca de 12h no ar – quase o mesmo tempo da operação total para Seul. Chegando no Aeroporto de Auckland, a Air New Zealand rapidamente se prontificou em conseguir uma aeronave substituta para os 55 passageiros que estavam a bordo. Com um outro avião, a tripulação não teve problemas em completar o trajeto e os viajantes chegaram no aeroporto de destino com 34 horas de atraso.

A situação da Air New Zealand foi parecida com a da KLM, que também foi forçada a operar um “voo para lugar nenhum” após problemas em uma operação, cujo destino era o Rio de Janeiro. Devido a um incidente com o painel externo do para-brisa direito da cabine do [também] Dreamliner, os pilotos abandonaram o destino final e retornaram para Amsterdã onde a aeronave passou por revisão e os passageiros foram realocados em outro voo.


Voos para lugar nenhum

Os voos para lugar nenhum receberam bastante atenção nos últimos meses, devido ao impedimento e ao fechamento das fronteiras em diversos países do mundo. A operação nada mais é do que um voo que tem como destino o próprio aeroporto de origem (semelhante a um voo panorâmico). Diversas companhias aéreas viram este tipo de operação como uma forma de diminuir o prejuízo causado pela pandemia.

Na Oceania, por exemplo, a australiana Qantas (que ainda não está operando voos internacionais) foi outra empresa aérea que fez este tipo de voo. Além da companhia, a Singapore Airlines e a ANA também operaram voos “bate e volta”. No caso da japonesa, a aeronave utilizada para o trajeto foi o A380 Flying Honu.

Diferente do que aconteceu com a KLM e a Air New Zealand, os voos para lugar nenhum dessas outras companhias foram vendidos para serem operados com o destino sendo o mesmo que o aeroporto de origem do voo.


Apesar de todo o atraso e problema durante o voo, vale destacar a tomada de decisão assertiva da tripulação, que preferiu voltar ao aeroporto de origem para a segurança de todos que estavam a bordo.

Qual seria sua reação se estivesse em um voo desses?

Supermercado
Supermercado
35% de desconto na primeira compra e 10% de cashback nas próximas!
Hotéis
Hotéis
5% de desconto + selos no Rewards em estadias até 31 de março de 2024!
Clube 1.000
Clube 1.000
Receba 1.000 milhas por mês + 7.000 milhas bônus na hora!
Seguro Viagem
Seguro Viagem
20% de desconto na contratação do seu seguro viagem!
Gerencie suas Milhas
Gerencie suas Milhas
6 meses grátis do AwardWallet Plus para novos usuários!
Ver todos os cupons

Baixe o app do Passageiro de Primeira

google-play
app-store

O maior portal de programas de fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, voos e salas VIP, hotéis e lazer, cartão de crédito e promoções.