fbpx

Voo cancelado, tentativa de upgrade e outras emoções na volta para o Brasil – Perrengues de Primeira

Notícias Perrengue de Primeira

Por Equipe | Passageiro de Primeira

Hoje no quadro Perrengues de Primeira vamos compartilhar a história do Fabio Arimori, que passou por uma sequência de perrengues ao retornar de uma viagem para o Brasil. Entre voos cancelados, remarcação e um quase overbooking, também tiveram surpresas boas no meio do caminho: hospedagem, passeio de limusine e upgrade para a Classe Executiva! Veja como foi essa jornada emocionante do Fabio de volta para casa.


Perrengue de Primeira

Oi pessoal,

Em 2015 aproveitei minhas férias para fazer um curso de verão na Utrecht University, e me programei também para visitar parentes e reencontrar amigos na Europa. A emissão foi pela Delta (não sou muito fã de voos diretos… rsrs):

  • Ida: (CWB-GIG-ATL-AMS) em 05/07/2015
  • Volta: (AMS-JFK-GRU-CWB) em 05/08/2015

Terminei o curso e depois de passar um tempo com a minha família e amigos chegou a hora de voltar para casa, iniciando-se a sequência dos perrengues!

Primeiro Perrengue – Quase um upgrade

No primeiro trecho de volta (AMS-JFK), que seria feito pela parceira da Delta (KLM), fui fazer o self check-in e me foi ofertado o upgrade para a World Business Class por 300 euros! Iria voar no upper deck do Boeing 747!

Coração acelerado e sem pensar duas vezes, passei o cartão e a mensagem “incorrect pin” (pin incorreto) por 3 tentativas, seguindo da informação “pin locked call bank” (pin bloqueado, ligar para o banco).

A emoção de voar novamente na World Business Class da KLM e ganhar aquelas casinhas de porcelana me fez esquecer a senha do cartão… Até tentei ligar pro banco, mas nada foi resolvido.

Tentei pagar em dinheiro no balcão, mas nesse meio tempo a cabine ficou lotada, não me restando outra opção senão permanecer na econômica.

Segundo Perrengue – Voo cancelado

O segundo trecho (JFK-GRU) é que foi emocionante.

Tinha 2 horas para passar pela imigração, despachar de novo a bagagem e me apresentar no gate. Foi uma correria… Pessoas me vendo correndo desesperadamente e gritando “GO! GO! GO!”, “Run man!” e “You can do it”, para chegar lá e descobrir que o voo estava atrasado…

As horas foram passando, várias informações diferentes nos monitores, carrinho de bebidas e de biscoitos surgindo, aglomeração de pessoas no balcão… Voo cancelado.

Apesar do perrengue do cancelamento, que pode acontecer com qualquer um, a situação se reverteu. Com os vouchers de transfer e de hospedagem, fui de limusine (Lincoln Town Car) até o Crowne Plaza JFK (algumas horinhas de luxo proporcionadas pela Delta, rsrs).

Na manhã seguinte, voltei ao JFK para nova tentativa de retornar ao Brasil. No embarque, escanearam meu boarding pass algumas vezes e nada de luz verde… Fui orientado a aguardar o embarque dos demais passageiros enquanto os funcionários tentavam descobrir o que tinha acontecido.

Depois que todos embarcaram, mandaram eu ir pro assento que estava originariamente no boarding pass, e adivinhem… Já tinha uma pessoa lá. A comissária viu que os dois boarding pass tinham o mesmo assento, e pediu para eu voltar pro gate e verificar…

Quase na hora da partida e sem saber o que estava acontecendo, fiquei esperando no finger, sem boarding pass e sem passaporte (que ficaram com a funcionária da Delta para tentar descobrir o ocorrido), surgiu outra funcionária com mais vouchers me informando que eu teria que ir no voo do dia seguinte.

No caminho do finger até o gate surgiu a supervisora com o meu passaporte e um boarding pass novo falando com aquele sotaque nova-iorquino, tipo a Rochelle (Todo Mundo Odeia o Chris): “Sir, you crazy?? You are a business class passenger since your upgrade hours ago! Get inside NOW!” (O senhor está louco? Você é passageiro da business class desde o seu upgrade horas atrás! Entre imediatamente!).

Esse trecho (JFK-GRU) foi maravilhoso. Delta One, flat-bed seats, champagne, sundae, fones noice cancelling da Bose, enfim, segui todos os protocolos e procedimentos ensinados pela equipe do PP, rsrs.

Terceiro Perrengue – A mala não chegou

Chegando em Guarulhos surgiu outra surpresa. Uma funcionária da Delta segurando uma plaquinha com meu nome. Mas aí o perrengue já foi mais “light”. Ela avisou que infelizmente todas as minhas bagagens ficaram no JFK (AAAA!!), mas que já estava com o voucher do hotel e do táxi para ficar uma noite em São Paulo (ufa?) (porque obviamente tinha perdido a conexão por pernoitar em NYC).

No dia seguinte, finalmente chegando em Curitiba (CWB), respirei fundo e pensei: “já não tem mais o que dar errado”. Saio da aeronave, uma ligação da Delta pedindo a senha dos cadeados pois a Polícia Federal queria entender o porquê do raio-x ter acusado 20 pacotes de stroopwaffles holandeses… Mas consegui extrair uma boa notícia pelo menos, as malas chegaram no Brasil!

Depois de todo o ocorrido, fica aí o questionamento para vocês. Será que pensaram que eu era parente do Sam Chui, para receber esses upgrades seguidos de passeio de limusine para o Crowne Plaza NYC?

Brincadeiras a parte, aprendi muita coisa nova com essa sequência de perrengues. Dentre elas, quando lhe for ofertado um upgrade, registre! Tire prints e fotos das informações. Se eu tivesse feito isso em Amsterdam, a atendente da KLM disse que poderia ter feito o upgrade por valor diverso ao da tabela.

Segundo informações dela, alguns passageiros aplicaram para o upgrade, mas ainda não haviam realizado o pagamento, e ela poderia tê-lo feito em dinheiro, desde que eu comprovasse que eu recebi a oferta naquele valor.

A segunda dica é: mesmo que você não tenha status, coloque as informações de frequente flyer. Pelo que entendi, o fato de ser SkyMiles colaborou com a parte do voucher, limusine e upgrade, pois, chegando em SP, conversei com brasileiros que estavam no mesmo voo, e muitos não receberam voucher (ficaram no aeroporto), ou tiveram que ir por conta própria (taxi, ônibus) para o hotel, muito menos receberam upgrade. Reparem que eu não era SkyTeam Elite Plus ou SkyMiles Gold/Platinum.

A terceira dica é a mais óbvia. Ser educado e falar inglês. Quando um voo atrasa ou é cancelado, começam as discussões e as gritarias. Passe longe delas. Vá para um desk da companhia longe do tumulto. Você e a funcionária vão conseguir explicar a situação mutuamente, e entra aqui a parte do “falar inglês”. O procedimento para o voucher da “limo” envolvia ir para um setor em outro terminal, subir escadas, pegar elevadores, falar com supervisor fulano e beltrano… Coisas que a funcionária da Delta não iria perder tempo explicando se o interlocutor não falasse a língua dela.

Espero ter oportunizado boas risadas aos leitores e ter dado dicas úteis aos Passageiros de Primeira.

Abraços a todos!
Fabio


Comentário

Que volta para casa emocionante hein, Fabio! Sequência de perrengues!

Como ele mesmo disse, imprevistos sempre podem acontecer em aeroportos e é preciso ter calma, sangue frio e paciência para conseguir resolver tudo. Até um transferências de limusine ele conseguiu!

Outra coisa importante é saber falar inglês, pois como língua praticamente universal ela te ajuda a resolver grande parte dos problemas e até reivindicar seus benefícios. Esteja preparado para imprevistos, principalmente em voos que envolvem conexões.

Alguém já passou por um perrengue parecido? Conta pra gente nos comentários!


☞ confira relatos já publicados:

Se você quer ter sua história aqui, siga as instruções deste post.

Newsletter

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliação de voos, salas vip, hotéis, cartão de crédito e promoções.