fbpx

Emitindo uma Volta ao Mundo em Executiva com milhas do TAP Miles&Go – Leitor de Primeira

Leitor de Primeira Notícias

Por Equipe | Passageiro de Primeira

No quadro #LeitorDePrimeira de hoje vamos compartilhar a história da Luciana. Aproveitando as dicas do site ela embarca hoje em uma das viagens mais desejada entre nossos leitores: a Volta ao Mundo (RTW) em executiva do Miles&Go, o programa de fidelidade da TAP.  O relato é super detalhado e repleto de dicas! Vale a leitura!


Relato de Primeira

Olá, Passageiros de Primeira!!

Meu nome é Luciana, e depois de obter muita ajuda neste site, vim retribuir um pouco e compartilhar sobre a minha emissão de passagem Round the World do TAP Miles&Go.

Já adianto que tenho uma preferência por destinos incomuns, então minha emissão foi bem alternativa rs.

Antes de mais nada, gostaria de contar rapidamente a minha história com o PP. Meu marido tem 1,90m de altura e não somos ricos rs. Então, nossa vida de viagens sempre esteve limitada por vôos de no máximo 10hs. Até que um dia, há cerca de 5 anos, vi no Facebook algum post do PP que algum amigo curtiu. Minha vida mudou. Aqueles lugares que sempre sonhamos ir, mas que pareciam impossíveis, de repente se tornaram realidade pra nós. Assim, pudemos ir para destinos como Tailândia, Japão, Quênia, Tanzânia. E passei a usar as dicas do PP para emitir tudo, até vôos nacionais, o que já me economizou alguns milhares de reais :). E é por isso que sou extremamente grata ao Fábio e toda a Equipe que agora, o acompanha.

Agora, voltando ao que interessa…

Tive um ano muito cansativo e estressante, que culminou com um desejo imenso de mudança. Acabei saindo do meu emprego, e como já tinha férias vencidas, decidi dar uma viajada antes de começar outro trabalho.

Na hora de escolher o destino, tinham tantos lugares que eu queria ir, e como não tinha um tempo fixado de “férias”, pensei: Por que não?

Já tinha visto vários posts no PP sobre a RTW da TAP, mas parecia algo surreal e extremamente impossível de conseguir. Mas, não me saía da cabeça, comecei a pesquisar destinos possíveis.

Para minha surpresa, vi que dava pra juntar vários destinos da minha bucket list neste tipo de emissão. E foi aí que as minhas férias viraram 3 meses de Volta ao Mundo, rs.

Não vou dizer que emitir uma RTW da TAP seja fácil, ou rápido. Mas vale muito a pena. Não vou me ater às regras de emissão, ou como fazer as pesquisas no site da United, porque já está super bem explicado nos posts do PP. Mas, segue alguns detalhes que aprendi com a experiência e que podem ser úteis:

  • Já ligue para a Central com disponibilidade confirmada em todos os trechos pelo site da United. Depois você terá que fazer algumas adequações, mas já adianta um bom caminho;
  • Tenha muita paciência e só ligue para eles quando estiver com tempo. Acho que nunca fiquei menos de 40 minutos em uma ligação com eles;
  • Eles dizem que vão te avisar quando seu pedido for avaliado, mas nunca recebi nenhum comunicado, exceto quando foi aprovado. Sendo assim, ligue por conta própria e pergunte se já foi avaliado. Eles costumam avaliar 1x ao dia. Sempre que eu ligava umas 14hs (horário de Brasília), já havia uma resposta. Se ligava antes das 13, nunca tinha resposta, rs;
  • Anote todos os trechos que você for solicitando e o que foi negado. Acredite, vão negar muitas vezes, às vezes pode parecer que estão de sacanagem e que nunca vão aprovar, mas uma hora dá certo;
  • E digo para anotar, porque às vezes negam, mas, em nova tentativa, o mesmo trecho é aprovado. Bizarro, mas verdadeiro.

Ex. Na minha primeira tentativa, foi negado porque disseram que os trechos Lima-Quito, Quito-GRU não eram permitidos, algo relacionado ao codeshare com a Avianca Peru. Quando eu já estava muito cansada, porque todos os trechos possíveis tinham sido negados, pedi pra tentar os mesmos trechos Lima-Quito, Quito-GRU e foi aprovado.

Ex 2. Às vezes, há um retorno discreto em relação à direção Leste-Oeste. Algumas vezes são negadas por esse motivo, e outras, os mesmos vôos são aprovados. Acho que depende um pouco de quem avalia o pedido.

Assim, se não achar alternativa melhor, vale a pena tentar um trecho que já tenha sido negado antes. A boa máxima do “o não eu já tenho”.

  • Na dúvida se infringe ou não uma regra da emissão, tente. Muitas vezes o próprio atendente diz que não pode. Em outras, só vai descobrir no dia seguinte. Mas, muita coisa que eu achava que não iam deixar, deixavam.
  • Toda vez que você alterar o pedido, cheque todos os trechos, e não só o que você alterou. Aconteceu de estar tudo certinho e aprovado, e na hora de pagar, um trecho tinha sumido. Em algum momento ele foi excluído, e tive que esperar mais um dia para pedir novamente a emissão.

Enfim, acho que é isso. Tive que ligar e pedir as alterações umas 7 vezes, mas consegui o seguinte, todos os vôos em classe executiva:

Vôo 1: Guarulhos – Addis Abbaba (Ethiópia)

  • De lá, irei para Johanesburgo Emiti em dinheiro.
  • De Johanesburgo para Cape Town. Emiti pela Smiles, 21k milhas + R$35 em Executiva
  • De Cape Town, farei um Overland Tour por Namíbia, Botswana e Victoria Falls (21 dias)
  • De Victoria Falls, vou para Entebbe (Uganda). Emiti pelo LifeMiles, 17,5k milhas + US$75
  • Na Uganda, farei um tour de 1 semana para safari, e, especialmente, ver gorilas e chimpanzés na natureza.
  • De Entebbe, volto para Addis Abbaba, emitido pelo LifeMiles 8k milhas + US$58

Obs. Eu amo a África, e esse era meu foco da viagem. Mas, é muito difícil achar passagem em executiva pela South African. Então, só me restou a Ethiopian. Como não pode repetir a cidade, tive que parar a RTW em Addis Abbaba, e emitir todos os vôos internos separadamente. Se você for de econômica, encontrará mais opções via Johanesburgo.

Vôo 2: Addis Abbaba – Chengdu (China)

  • Obs. a Ethiopian opera para vários destinos na Ásia (Inclusive Japão nas Olimpíadas rs), escolhi Chengdu porque queria ver Pandas. Mas, há muitas opções de vôos para todas as principais cidades da China.
  • Obs 2. Já voei de Ethiopian anteriormente. Não é nenhuma maravilha, como as companhias árabes, mas a executiva é bem ok. Gostei da comida, poltrona vira cama, com aquele pé afunilado, mas quase todas são, rs. Acho uma ótima opção pra quem vai pra Ásia, tem muita disponibilidade.

Vôo 3: Guangzhou (Cantão) – Tóquio/Narita

  • Passarei 18 dias, emiti 2 vôos internos baratinhos e comprei o JR Pass 14 dias.
  • Japão é um dos lugares mais sensacionais para turistar. O JR Pass é um passe exclusivo para turistas estrangeiros que te permite usar os trens da linha JR de forma ilimitada. Assim, dá pra fazer muito bate-volta, e conhecer muitas cidades.
  • Curiosidade: lá existe um serviço chamado Taq-U-Bin, que te permite enviar suas malas para qualquer lugar do Japão. Então você pode pegar esses vôos curtinhos low cost só com uma mochila pequena e enviar suas malas para um lugar mais cômodo. Quando você chegar, suas malas estarão te esperando lindamente no hotel que você escolheu na data que você escolher.

Vôo 4: Tóquio/Narita – Chicago

  • A travessia pelo Pacífico foi a parte que mais apanhei para encontrar. Pouquíssima disponibilidade, fiquei testando todos os destinos que a United opera. Estava quase topando ir de econômica.
  • De lá, peguei um vôo baratinho pra Orlando em dinheiro.

Vôos 5, 6 e 7: Miami – Cidade do Panamá – Quito – Galápagos

  • Existem duas vias principais para vir da América do Norte de volta pro Brasil: Cidade do Panamá (Copa Air) e Bogotá (Avianca). Quase todas as opções passam por aí.
  • Fiquei em êxtase quando vi que dava pra ir para Galápagos pelo TAP Miles&Go. Sempre sonhei em ir para lá, mas é um paraíso de acesso complexo. Os vôos de SP para Galápagos em econômica não saem por menos de R$3.500. Então foi um baita negócio.
  • Sendo ilhas que só se acessam pelo Equador, você vai acabar retornando na direção leste-oeste, mas eles aceitam. Acho que se encaixa no “1 ida-volta permitida”

Vôos 8, 9 e 10: Galápagos – Guayaquil – Lima – Guarulhos

  • Fim!
  • Ainda dava para fazer mais uma parada, mas a essa altura já estava bem satisfeita e totalmente falida.

Comprovante

Custos

Em relação aos custos, fiz todas as transferências para a TAP com no mínimo 100% de bônus. Já era assinante Clube Livelo 20.000, da época que custava R$649,90, tendo um custo de 32,50 cada 1.000 milhas.

Também assinei o Clube TAP Miles&GO mais básico (1.000 milhas por R$39,90 ao mês), só para ter mais bônus nas transferências.

Usei algumas milhas que eu tinha acumulado do cartão de crédito, mas se fosse contar só milhas que eu adquiri pelo Clube Livelo e transferi com 120% de bônus, o custo das minhas 350.000 milhas TAP usadas seria de R$5.170.

Além disso, as taxas de embarque somaram 251,60 euros e a taxa de emissão, 40 euros.

É isso, foi cansativo, mas nem preciso dizer o quanto valeu a pena. Este sábado, partirei para a viagem da minha vida. E esta só será possível graças aos ensinamentos do Passageiro de Primeira. Muita gratidão.

E para quem se interessou por esses destinos meio malucos e pouco conhecidos pelos brasileiros, sigam meu intagram @fabulosajornada 🙂

Espero ter inspirado alguém a seguir seus sonhos e buscar o que lhe faz feliz!!!

Boas viagens, pessoal!!


Comentário

Parabéns, Luciana! Parabéns pela persistência para conseguir fazer a emissão mas que resultou nessa viagem incrível que você vai fazer! Muito obrigado por compartilhar conosco sua experiência e por dar dicas valiosas que, sem dúvidas, vão ajudar muitos em suas emissões. O destaque fica para a emissão 100% em classe executiva!

Aproveite demais sua viagem e que venham muitas outras pela frente!

Parabéns pela emissão!


☞ confira relatos já publicados:

Se você quer ter sua história aqui, siga as instruções deste post.

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliação de voos, salas vip, hotéis, cartão de crédito e promoções.