fbpx

Emitindo uma Volta ao Mundo em Classe Executiva por R$6.751 – Leitor de Primeira

Leitor de Primeira Notícias

Por Lorenzo Firmino

No último #LeitorDePrimeira de 2019 vamos compartilhar a história da Beatriz, que fará uma Volta ao Mundo em Classe Executiva com o marido pelo custo de R$6.751/cada (com taxas). A emissão da Beatriz foi razoavelmente fácil (como ela mesmo descreve) – já que, desde o início, ela não se prendeu aos destinos que tinha em mente. Confira!


Relato de Primeira

No início do mês de setembro o PP anunciou a promoção de até 40% de desconto para compra de Pontos Livelo, juntamente com a promoção da TAP em parceria com o PP dando até 130% de bônus mais o status gold da TAP.

Eu e meu marido aproveitamos ambas. Concentramos todas as nossas milhas no CPF dele, por isso ele assinou o Club Platinum da TAP junto com o Clube Livelo, que ele já tinha, e por isso ele ganhou o bônus máximo, 130% e o Status Gold. Como ele podia estender o Gold à alguém, eu também virei Gold.

Ganhar o status Gold foi muito bom, pois tínhamos viagem naquele mesmo mês na TAP (por isso optamos por pagar o Club Platinum, porque estávamos viajando com um grupo e trouxemos bebidas para uma festa que faríamos e precisaríamos de malas extras (assinar o Club foi mais barato que pagar as malas extras, pois eram vários voos) e ganhamos muito mais milhas! Como já íamos ter que pagar mala extra, não computamos este valor no ticket da RTW.

Mas vamos lá, como foi a emissão?

Na Livelo eu comprei o máximo de pontos permitido, 150k, ficando assim: 150k milhas – R$ 6.300.

Eu ganhei 115%, ou seja, foram 322,5k. O que faltava para completar os 350k eu ganhei em milhas dos voos que fiz no mesmo mês. Meu marido, como já tinha milhas na TAP e na Livelo só precisou comprar 91k na promoção Livelo, o que gerou 209,3k de milhas e custou R$ 2520.

Ou seja, custo final das 700k milhas para nós foi R$8.820. Ou seja, cada bilhete de business RTW por cerca de mil dólares, por R$ 4410.

Milhas nas contas, passei a ler todos os posts de RTW do PP e começamos a desenhar o que queríamos. Tínhamos certeza de que queríamos Maldivas, Tailândia, Singapura, Mianmar, Camboja e Vietnam. O que viesse daí era lucro. De outubro até dezembro eu fiquei entrando no site da United e tentando montar roteiros viáveis dentro das regras: um só sentido, 10 trechos e tentando aproveitar alguns stopovers.

O que notei é que a variação de disponibilidade no site da United é imensa, uma loucura. Das 30 opções que montei em dias diferentes, nenhuma era igual a anterior. Os voos mudavam muito, de uma semana para a outra. Comecei a ficar surtada, achando que realmente era uma loucura conseguir montar o itinerário.

Várias opções não tinham disponibilidade em business, e essa era minha prioridade, não queria pegar classe mista ou econômica.
Então no dia 23/12 me deparei com o post do Tarcísio, também para setembro de 2020 e que ele tinha tido inúmeras dificuldades, precisando voar um trecho de econômica e ainda comprar uma perna por fora, dada as indisponibilidades.

Além disso, o Tarcísio ainda comentava das taxas de embarque, e que tentou fugir das mais caras (eu nem sabia disso). Gelei!
Comecei a simular novamente pela United e o mais difícil era sair do Brasil para Maldivas, nossa prioridade número 1. Eu aproveitei uma promoção da Agoda na Black Friday e consegui um resort all inclusive, com bangalô sobre a água por USD 1500, 4 diárias. Ou seja, eu tinha data para chegar lá e não podia mudar.

Antes eu pensava em usar a Turkish, que tem voo direto (IST-MLE), mas não tinha mais essa opção. Saindo do Rio eu encontrava pela Ethiopian, mas voaria de Azul até campinas e ia ter que me teletransportar até GRU e ainda contava um segmento a mais. Quando eu procurava saindo de GRU esta opção não aparecia. Desesperador.

Foi uma noite sem dormir, mas decidi que do dia seguinte não passava aquela emissão! Rs
Acordei às 6h, tentei ver se algo tinha mudado no site da United, nada… já tinha me conformado, iria para Campinas, perderia uma perna e paciência, compraria um voo interno na Ásia.

Já havíamos mudado o nosso plano inicial, porque não poderíamos ficar mais de 20 e poucos dias e ficaria muito corrido ir a todos os lugares que pensamos inicialmente. Optamos por tirar Camboja e Vietnam e manter os demais. Às 9 da manhã do dia 24/12, liguei para a TAP, que me transferiu para outra linha por ser Gold. A atendente era ótima e de cara me disse que tinha o voo saindo de Guarulhos para Male (ufa!). Isso me mostrou o quanto os sistemas são diferentes.

A minha dica é ter em mente os destinos, alguns planos na manga e ligar logo pra TAP. No meu caso estava tudo diferente (melhor inclusive) do que o site da United. Montei inicialmente:

  • GRU- ADD-BLR- MLE (Ethiopian + Air India)
  • MLE – SIN (Singapore airlines)
  • SIN-RGN (Thai)
  • RGN- BKK (Thai)

E resolvi voltar daí. Depois de 16 minutos a ligação caiu. Liguei novamente e era a mesma atendente e levei mais 12 minutos. Ela me disse que só tinha como voltar pela Ethiopian, fazendo o mesmo caminho da ida e que ela iria reservar para ir para a análise e gerar o valor da taxa de embarque. Perguntei se não tinha que ser na mesma direção, com medo de não ser aprovado. Ela disse que eventualmente eles aprovavam ou achariam uma solução. Diante disse confirmei a reserva. Passado um tempo, não me conformei de não parar em mais nenhum lugar e liguei novamente.

Fui atendida por outra pessoa, que me disse que a volta pela Ethiopian não havia sido aprovada. Falei pra ela: olha, então me coloca uma parada em algum lugar da Ásia, Oceania ou Austrália e outra parada em qualquer lugar da América (citei NY, Chicago, Miami, Panamá, Cidade do México e Lima), terminando no Rio ou SP. Foram 38 minutos de espera. Eu pegando Uber, pegando
encomenda de bacalhau e rabanada e com o fone de ouvido. Cada destino que eu falava e perguntava se tinha executiva era uma olhada que me davam! (Rs).

Ao final ela saiu com a pérola: se a sra puder voltar 3 dias depois eu consigo Seoul, Los Angeles e Bogotá. Na hora falei: emite, pelo amor de Deus! Rs, isso é muito tenso! Ambas rimos. Reserva feita, enviada para cálculo das taxas. Passados uns 40 minutos meu marido me liga e diz q tinham ligado para ele, que havia sido aprovada e que era cerca de 900 euros de taxa. Perguntei na hora: cada um?! Ele disse que não, que esse valor era dos dois. Ufa! Liguei para lá e paguei as taxas. Mais 16 min no tel.

Então no final tivemos o seguinte, paradas em: Male, Singapura, Yangon, Bangkok, Seoul e Bogotá.

Pedi para parar em Los Angeles ao invés de Bogotá, mas aí não tinha voo para continuar. Coisas da RTW, mas eu já estava feliz por estar ganhando Seoul e Bogotá.

Valor final:

  • Compra de milhas: R$ 8.820,00
  • Taxas: R$ 4,683,21
  • Total: R$ 13.503,21
  • Bilhete individual: R$ 6.751,60

Escrevendo este relato eu simulei somente a passagem para Maldivas em executiva, nas mesmas datas que estaremos viajando e olha o preço:

Ou seja, valeu muito a pena! Não foi tão difícil quanto pensei que seria. Em menos de 6h estava tudo resolvido. Levou menos de 1h30 no telefone, contando todas as ligações. Encorajo todos a tentarem, pois com as dicas do PP não há erro. Acho também que tem muita gente fazendo, o que faz com que os atendentes estejam muito mais safos.

Muito obrigada a todos do PP e aos leitores que colaboram! Um 2020 cheio de voos e realizações!

Att,
Beatriz


Comentário

O relato da Beatriz é mais um exemplo de que, com um pouco de flexibilidade, é possível emitir a RTW da TAP sem grandes dores de cabeça. O seu único destino pré-definido foi as Maldivas – o que tornou a emissão mais fácil. Quando temos vários destinos em mente e não abrimos mão de nenhum, o desafio é maior. Alguns pontos nos chamaram atenção (positivamente) no seu relato:

  • Assinar o Club Platinum da TAP foi mais barato que pagar malas extras,
  • Ela e o marido viram Gold na Star Alliance;
  • O relato do Tarcísio ajudou na sua emissão (clap, clap!);
  • A experiência no call center foi positiva;
  • Todo o processo não foi tão difícil quanto ela pensou que seria;
  • (off-topic) baita deal que conseguiram nas Maldivas por um bangalô em resort all-inclusive!

Beatriz, ficamos muito felizes lendo o seu relato e vendo como você soube contornar cada empecilho que poderia inviabilizar a sua emissão! Parabéns! Feliz 2020 e uma excelente Volta ao Mundo pra você e seu marido! 🥂


☞ confira relatos já publicados:

Se você quer ter sua história aqui, siga as instruções deste post.

Newsletter

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliação de voos, salas vip, hotéis, cartão de crédito e promoções.