fbpx

Emitindo passagens para Austrália/Nova Zelândia na executiva da Emirates com milhas do TAP Miles&Go – Leitor de Primeira

Leitor de Primeira Notícias

Por Dérek Arakaki

No primeiro #LeitorDePrimeira de 2020 vamos compartilhar a história da Robert, que aproveitando as dicas do site emitiu duas passagens em classe executiva para a Oceania, visitando a Austrália e Nova Zelândia, voando com a Emirates, com direito a um stopover em Dubai! O relato conta toda sua experiência desde a identificação da oportunidade no site do PP, como ele realizou todas as etapas do processo até a finalização com uma excelente emissão! Confira!


Relato de Primeira

Minha namorada e eu sempre tivemos vontade de conhecer a Nova Zelândia e Austrália, mas a ideia de ficar mais de 20 horas entre aeroportos, salas vip e voos em classe econômica (mesmo premium), há três anos nos afasta da Oceania.

Sigo o PP há muito tempo, sempre considerando as dicas e prestando atenção aos relatos. Foi assim que, ainda em 29/11, seguindo o passo a passo descrito no post “Voe para Austrália, Ásia ou Nova Zelândia em classe executiva a partir de R$4.374,00 (ida e volta)”, transferi todos os pontos que tinha em cartões de crédito para a TAP, comprando os pontos faltantes para completar as 520 mil milhas necessárias à viagem.

Me inscrevi no Clube Livelo 20.000 e Club TAP Miles&Go Platinum e comprei 130 mil pontos Livelo (40% de desconto), pois já tinha 90 mil em cartões parceiros.

Verificação de disponibilidades e emissão

Pois bem, o crédito das milhas bônus se deu em 20/12 e, a partir de então, passei concentrar esforços na emissão das passagens com a maior brevidade possível, seguindo a estratégia “Earn and Burn”. Também tinha a preocupação com a manutenção da tabela de emissões da TAP, uma vez que 260.000 milhas em executiva para a Oceania está MUITO em conta.

Pesquisei inicialmente no ITA Software para verificar as rotas possíveis (com no máximo 3 trechos), com saídas de Brasília (BSB), São Paulo (GRU) ou Rio (GIG) e destino final Auckland (AKL) ou Sydney (SYD). A volta sairia de cidade diferente do destino (open jaw).

O período que desejava viajar era flexível, entre agosto e novembro/2020 e já tinha as disponibilidades devidamente consultadas no site da United. O único “porém” é que gostaria de evitar a Emirates, em função da temida tarifa de combustível.

As rotas mais racionais passavam pelos EUA (San Francisco – SFO) ou (Houston – IAD), mas se fosse necessário, haviam ainda rotas passando pela Europa (Istambul – IST) ou África (Adis Abeba – ADD). Se eu conseguisse voo direto até os EUA, pretendia fazer um stopover no Japão, se não, o stopover seria na cidade de uma das conexões.

No dia 21/12 minha tabela de voos e disponibilidades consultadas tinha 20 possibilidades, com datas flexíveis, então decidi segmentar minhas ligações para a TAP. Liguei cinco vezes entre 21/12 e 27/12, sempre fui atendido por pessoas diferentes.

Para minha decepção, na maioria das rotas que eu desejava havia disponibilidade em apenas parte do trecho em executiva. Saindo do Brasil para os EUA, nenhuma disponibilidade na United, apenas Copa ou Avianca. Dos EUA para o Japão ou Oceania, somente econômica. Pela Turkish e Ethiopian, mesma coisa. As únicas disponibilidades que se mostraram consistentes com o site da United foram as da Air China… nos trechos Europa>Ásia>Oceania e na volta pela rota inversa, sempre encontrei assentos disponíveis.

Um dos atendentes chegou a mencionar que disponibilidades da United em executiva costumam aparecer em períodos mais próximos da viagem (seis meses, geralmente). Essa informação não foi confirmada por outros atendentes.

Já estava quase me conformando com ligações semanais à TAP, quando aceitei o ônus das altas taxas e decidi procurar pela Emirates.

Em 29/12 liguei novamente para a TAP e encontrei disponibilidades em executiva nos trechos GRU>DXB, AKL>DXB e DXB>GRU ou GIG, mas o trecho DXB>SYD, só econômica. Então, olhando o mapa da Austrália enquanto falava com um dos atendentes, pensei: “por que não Melbourne?”…. BINGO!!!! Havia algumas executivas disponíveis.

Não confirmei a emissão na ligação do dia 29/12, mas liguei novamente, decidido a confirmar a viagem, em 31/12. Na ligação, com a atendente Maria, ainda tentei dar mais uma chance à Star Alliance, mas as indisponibilidades persistiam. Por fim, após 1 hora exata de ligação, a reserva foi confirmada com todos os voos em classe executiva na Emirates.

  • Ida: saída de São Paulo (GRU) para Melbourne (MEL), stopover em Dubai (6 dias)
  • Volta: saída de Auckland (AKL) para o Rio (GIG) com conexão em Dubai.

A cobrança das taxas foi processada no dia seguinte, com imediata emissão dos bilhetes.

Os custos

  • Clube Livelo 20.000: R$799,00
  • Club TAP Miles&Go Platinum: R$299,00 (primeira mensalidade)
  • Compra de 130 mil pontos Livelo: R$5.460,00
  • Emissão Emirates: R$5.725,94 (EUR 1268,00)
  • Total para 2 passagens em executiva para Oceania pela Emirates: R$12.283,94 (R$ 6.141,97 por passagem).

*Lembrando que eu já possuía 90 mil pontos.

A emissão dessas passagens pagante custaria mais de R$ 52 mil (R$ 26 mil por passagem). Mesmo sem esperar, inicialmente, o “custo Emirates”, considero que fiz um excelente negócio!

Considerações

A necessidade de ligar para a TAP para consultar as disponibilidades é uma tortura (principalmente para mim, que costumo me autoatender em tudo possível).

Os atendentes parecem ter diferentes métodos de consulta, apesar de o resultado ser o mesmo. Isso faz com que algumas consultas sejam rápidas e outras mais morosas. Por exemplo: entre a penúltima e a última ligações, quando pesquisei as disponibilidades da Emirates, o primeiro atendente concluiu a consulta em menos de 5 minutos… a segunda demorou mais de 20 minutos só para me dizer se os trechos estavam ainda disponíveis.

Conclusão: se o negócio não fosse MUITO BOM, como foi, eu não o faria novamente pela necessidade de ficar ligando para a TAP, mas os R$ 40 mil de economia pagaram os contratempos ;).

Atenciosamente,

Robert


Comentário

Parabéns Robert! Você de fato fez um excelente negócio! Apesar do plano inicial ser de emitir com companhias da Star Alliance, para evitar as altas taxas cobradas pela Emirates, ainda assim sua economia foi grande e você terá a experiência de voar em uma das melhores companhias do mundo.

Como sempre a flexibilidade de datas e origem/destino é chave para o sucesso dessa emissão. Muitas vezes nos prendemos a um determinado aeroporto e nos esquecemos que as companhias operam para outras cidades no mesmo país. Que bom que você estava com o mapa da Austrália aberto na sua frente e identificou a oportunidade de Melbourne.

Outro destaque fica na pesquisa das regras de emissão do Miles&Go, e com isso usufruir de dois excelente benefícios oferecidos: stopover (parada em um ponto de conexão) e open jaw (bilhete com retorno em cidade diferente de onde chegou).

Como você já possuía um saldo de pontos (90 mil), fiz abaixo os custos caso fosse necessário comprar toda a quantidade (220 mil) para as pessoas que fizessem essa emissão sem ter nada de saldo:

  • Clube Livelo 20.000: R$799,00
  • Club TAP Miles&Go Platinum: R$299,00 (primeira mensalidade)
  • *Compra de 220 mil pontos Livelo: R$9.240,00
  • Emissão Emirates: R$5.725,94 (EUR 1268,00)
  • Total para 2 passagens em executiva para Oceania pela Emirates: R$16.063,94 (R$ 8.031,97 por passagem).

Ou seja, ainda que desconsiderando os pontos que você já tinha, gastar R$8 mil para voar na executiva da Emirates para a Oceania é um excelente negócio! Parabéns!!


☞ confira relatos já publicados:

Se você quer ter sua história aqui, siga as instruções deste post.

Newsletter

O maior portal de Programas de Fidelidade do Brasil.
Tudo sobre milhas e pontos, avaliação de voos, salas vip, hotéis, cartão de crédito e promoções.